Coligação de Fernando Haddad cobra que TSE apure impulsionamento pró-Bolsonaro no WhatsApp nas eleições de 2018

Jair Bolsonaro (PSL-RJ), presidente da República. Campanha eleitoral foi beneficiada com uso ilegal do WhastApp. Folha de S. Paulo revelou que empresas brasileiras contrataram disparos em massa pelo aplicativo em favor de Bolsonaro e contra o PT, interferindo nas Eleições de 2018.
Jair Bolsonaro (PSL-RJ), presidente da República. Campanha eleitoral foi beneficiada com uso ilegal do WhastApp. Folha de S. Paulo revelou que empresas brasileiras contrataram disparos em massa pelo aplicativo em favor de Bolsonaro e contra o PT, interferindo nas Eleições de 2018.
Jair Bolsonaro (PSL-RJ), presidente da República. Campanha eleitoral foi beneficiada com uso ilegal do WhastApp. Folha de S. Paulo revelou que empresas brasileiras contrataram disparos em massa pelo aplicativo em favor de Bolsonaro e contra o PT, interferindo nas Eleições de 2018.
Jair Bolsonaro (PSL-RJ), presidente da República. Campanha eleitoral foi beneficiada com uso ilegal do WhastApp. Folha de S. Paulo revelou que empresas brasileiras contrataram disparos em massa pelo aplicativo em favor de Bolsonaro e contra o PT, interferindo nas Eleições de 2018.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) precisa analisar os impulsionamentos ilegais de mensagens, que interferiram no nas Eleições de 2018, favorecendo Jair Bolsonaro (PSL). Esse é o pedido feito novamente pela coligação de Fernando Haddad e Manuela D’Ávila (PCdoB), que foram prejudicados por notícias falsas e ataques virtuais durante o pleito.

“A disseminação de mensagens em massa, especialmente as chamadas fake news, na Eleição de 2018, são danosas para a lisura do processo eleitoral e devem ser investigadas”, afirma o advogado Ângelo Ferraro.

E complementa: “o Tribunal Superior Eleitoral, o Supremo Tribunal Federal, a Procuradoria Geral da República, a Polícia Federal e o Congresso têm adotado medidas para investigar a profundidade dos danos causados àdemocracia brasileira na última eleição. Infelizmente, as ações de investigação judicial eleitoral ajuizadas durante a eleição de 2018 não estão recebendo a mesma atenção, o que motiva o presente pedido a Justiça Eleitoral”.

Em 18 de outubro, a Folha de S. Paulo revelou que empresas compraram disparos de mensagens contra o Partido dos Trabalhadores, um grande esquema ilegal de comunicação a uma semana do segundo turno das eleições. A prática é considerada doação de campanha por empresas, o que é proibido pela legislação eleitoral. De acordo com a reportagem, cada contrato chegava a R$12 milhões.

Com base nisso, em dezembro, a chapa pediu que o corregedor-geral eleitoral, Jorge Mussi, autorizasse a abertura de investigação sobre o caso, mas os pedidos ainda não foram apreciados.

Na semana passada, uma nova reportagem da Folha de S. Paulo mostrou que empresas brasileiras contrataram uma agência da Espanha para fazer disparos em massa de mensagens pró-Bolsonaro no WhatsApp. Diante da demora da Justiça em dar uma resposta e das novas revelações da Folha, a chapa fez um novo pedido para que as irregularidades sejam investigadas.

*Com informações da revista Época e da Folha de S.Paulo.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111112 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]