Em Dia Internacional, ONU aponta a fístula obstétrica como violação dos direitos humanos

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Infográfico sobre fístula obstétrica.
Infográfico sobre fístula obstétrica.
Infográfico sobre fístula obstétrica.
Infográfico sobre fístula obstétrica.

Este 23 de maio de 2019 marca o Dia Internacional para o Fim da Fístula Obstétrica, uma condição que afeta cerca de 2 milhões de mulheres em sua maioria na África Subsaariana, na Ásia, na região árabe, na América Latina e no Caribe.

De acordo com as Nações Unidas, entre 50 mil a 100 mil novos casos da lesão ocorrem em todo o mundo a cada ano.

Tratamento

Esta ruptura é uma das mais graves e trágicas que podem ocorrer durante o nascimento do bebê. A fístula é o aparecimento de uma lesão causada pelo trabalho de parto prolongado e obstruído, sem tratamento.

A fístula obstétrica pode ser prevenida e tratada na maioria dos casos com uma cirurgia reconstrutiva com taxas de sucesso de até 90% para casos menos complexos. O custo médio do tratamento que inclui cirurgia, cuidados pós-operatórios e apoio à reabilitação é de US$ 300 por paciente.

As Nações Unidas lembram que a fístula obstétrica é evitável com medidas como o atraso na idade da primeira gravidez, o fim de práticas tradicionais nefastas e o acesso oportuno a cuidados obstétricos.

A diretora executiva do Fundo das Nações Unidas para a População, Unfpa, destaca que nenhuma mulher ou menina deve ser privada de sua dignidade, esperanças e sonhos. Para Natalia Kanem, a fístula é “uma violação dos direitos humanos” e deve acabar imediatamente.

Acompanhe no vídeo abaixo o trabalho do Unfpa no combate a fístula obstétrica em Moçambique:

Vergonha

Kanem aponta a vergonha, isolamento e a segregação como estando entre as indignidades enfrentadas pelas centenas de milhares de mulheres e meninas em todo o mundo que sofrem de fístula obstétrica.

O mais frequente sinal da condição é a incontinência crônica que resulta em estigma social devastador.

Kanem destaca que a maioria das doentes é pobre e a falta de capacidade de receber tratamento médico imediato não apenas as priva de sua saúde e dignidade, mas é uma violação de seus direitos humanos.

A agência tem um a campanha para acabar com a fístula que desde 2003, apoiou mais de 100 mil cirurgias de reparo.

Milhares de pessoas receberam capacitação em mais de 55 países da África, Ásia, região árabe e América Latina para recuperar a esperança e reconstruir suas vidas. As atividades foram realizadas com apoio de parceiros da agência.

Tratamento

As vítimas sofrem frequentemente de depressão e isolamento social, o que piora a pobreza. A ONU aponta que muitas mulheres vivem com essa condição por anos ou décadas porque não podem pagar o tratamento.

A organização declara ainda que a prevenção e o tratamento da fístula obstétrica contribuem para alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número três, que pretende garantir vidas saudáveis, melhorando a saúde materna.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123125 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.