Economia brasileira está em depressão e no fundo do poço, avaliam economistas; Governo Bolsonaro produz desastre socioeconômico

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Presidente Jair Bolsonaro produz desastre socioeconômico ao conduzir governo com infantilidade intelectual.
Presidente Jair Bolsonaro produz desastre socioeconômico ao conduzir governo com infantilidade intelectual.

A retração na produção industrial em 1,3% de fevereiro para março, e de 6,1% na comparação com março de 2018, segundo números do IBGE, já era um cenário esperado, levando-se em conta as políticas, ou não políticas, do governo Jair Bolsonaro (PSL), que completou quatro meses neste início de maio. “Havia esperança de recuperação com a PEC do teto de gastos, assim como aconteceu com a reforma trabalhista (ambas no governo Michel Temer). Agora, com o novo governo pró-mercado, a aposta era de que as reformas iam dinamizar a economia, mas isso mais uma vez se frustra, como em 2016, 2017 e 2018”, avalia Guilherme Mello, professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

O Brasil está em depressão há quatro anos e nada indica a superação desse quadro. Na literatura de Economia, isso é chamado “histerese”: se o crescimento é muito abaixo do potencial durante muito tempo, isso afeta o potencial futuro de crescimento. “Os efeitos dessa depressão vão se refletir no futuro”, diz Mello.

O clima de depressão, segundo ele, é análogo ao diagnóstico de depressão no sentido psicanalítico, quando a pessoa não tem vontade de viver, não quer sair da cama e não tem “vitalidade”. “As frustrações recorrentes apontam para um menor potencial de crescimento no futuro. As previsões de crescimento para 2020 também são baixas. E 2019 já é um ano que não foi.”

Não é apenas a indústria que está em crise. Nota da coluna Painel S.A. da Folha de S. Paulo desta sexta-feira (03/05/2019) informa: “Ano já acabou para a construção civil”. “A estimativa é que o PIB do setor suba 1% a 2%, mas impulsionado pelo mercado informal, não pelas construtoras”, diz a nota.

João Sicsú, professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), avalia que a economia brasileira está em estado de depressão há quatro anos, pelo menos. Ele usa outra imagem para ilustrar a situação da economia do país.

“Ela mergulhou no fundo  do poço e está lá, dando suspiros. Nesses suspiros, às vezes há sinais positivos, às vezes negativos. O saldo é que caminhamos no fundo do poço e estamos nessa situação. Desde o final de 2014, e em 2015 e 2016, mergulhamos no poço. E em 2017, 2018 e 2019, estamos dando suspiros dentro do fundo do poço.” Nos últimos quatro anos, o PIB brasileiro cresceu 0,50% em 2014, caiu em 2015 e 2016 (-3,55% e -3,31%, respectivamente) e subiu 1,12% em 2018.

Sicsú aponta que Bolsonaro foi eleito com a expectativa de melhoria econômica, mas não tem apresentado nenhum programa de retomada do crescimento e redução do desemprego, e seu foco econômico são as “reformas estruturais”, com destaque para a da Previdência, a mais importante para o mercado, e as privatizações.

“Independentemente de se concordar com elas, o fato é que não dão nenhum resultado imediato. Portanto, o governo não tem instrumento de combate à depressão”, diz Sicsú. “O problema imediato é o desemprego, que só pode ser reduzido com política de retomada de crescimento, que não é o foco do governo. O resultado é a continuidade do estado de depressão.”

O país não está em recessão (o que tecnicamente se caracteriza com queda do PIB por dois trimestres seguidos), mas está no limiar dela. No quarto trimestre de 2018, a vitória eleitoral do atual presidente não deu resultados esperados pelos otimistas, e o PIB teve crescimento praticamente zero (0,1%). Em 2018, o crescimento foi de apenas 1,1%.

Existe possibilidade de o PIB no primeiro trimestre de 2019 ser negativo, embora isso não seja certo. “Se for negativo, significa que estamos na antessala da recessão”, diz Mello. “Basta que o segundo trimestre confirme o viés negativo.” Na opinião do economista, se a greve geral for um sucesso, enfraquece muito a reforma da Previdência, o que afetaria o ânimo de mercado financeiro, poderia provocar aumento dos juros e algum impacto no câmbio.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o Bradesco e o Itaú Unibanco “pioraram suas análises em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre”. A projeção do Itaú para o período “saiu de baixa de 0,1% para retração de 0,2%”, diz a matéria do Estadão.

*Com informações da Agência Brasil Atual (RBA).

Solenidade de Hasteamento da Bandeira Nacional, em Brasília.
É possível que o PIB no primeiro trimestre de 2019 seja negativo. Nesse caso, o país estará na antessala da recessão. Problema imediato é o desemprego, mas o foco do governo é nas ‘reformas’. O ano “já acabou” para a construção civil e na produção industrial o cenário não promete crescimento.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113789 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]