China é a maior proprietária estrangeira de bônus americanos

Vista parcial da zona portuária de Manhattan, cidade de Nova Iorque, EUA.

A fatia chinesa de propriedade de bônus do Tesouro dos Estados Unidos caiu para US$ 1,12 trilhão em março de 2019, após um crescimento de três meses consecutivos, de acordo com os dados divulgados pelo Departamento de Tesouro norte-americano.

A China, que segue sendo a maior proprietária de bônus do Tesouro dos Estados Unidos, tinha US$ 1,131 trilhão em fevereiro, uma alta leve ante o mês anterior.

de bônus americanos aumentou para US$ 1,078 trilhão em março, em comparação com o montante de US$ 1,072 trilhão em fevereiro.

Em combinação, a China e o Japão têm mais de um terço da propriedade estrangeiras dos bônus americanos.

Somando as aquisições estrangeiras líquidas de bônus de longo prazo, de curto prazo e fluxos bancários, o resultado foi de um fluxo estrangeiro líquido de US$ 8,1 bilhões em bônus norte-americanos em março, mostraram os dados.

Sobre Carlos Augusto 9515 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).