Editorial: Retrocesso e desgoverno do presidente Jair Bolsonaro e o conceito do quadrinômio deseducar, desempregar, oprimir e envenenar

Presidente Jair Bolsonaro comemora 100 dias de retrocesso e desgoverno do Brasil.
Presidente Jair Bolsonaro comemora 100 dias de retrocesso e desgoverno do Brasil.

O que Jair Bolsonaro (PSL-RJ) comemorou como avanço nos 100 dias na presidência da República, na prática, se configura como retrocesso e desgoverno da gestão que conduz. Em síntese, trata-se de uma gestão marcada pela demência na apologia aos ditadores e regimes ditatoriais, psicopatia em defesa do uso de armas, e destruição da educação pública por falta de projeto de Estado.

As deletérias práticas do Governo Bolsonaro são acrescidas do retrocesso na economia, através da política de desinvestimento e desindustrialização; destruição ambiental, decorrente da política de exploração desmedida de reservas ambientais e de territórios dos povos tradicionais; envenenamento da população, com a liberação de cerca de 100 diferentes tipos de agrotóxicos; e opressão do povo, com a concessão da licença para matar.

No contexto, o país, desde a política liberal adotada pelo governo do usurpador Michel Temer (MDB-SP), amplia a desigualdade, destrói o meio ambiente, empobrece o povo e subordina, de forma violenta, a classe trabalhadora aos interesses do Capital Internacional.

Por fim, o quadrinômio deseducar, desempregar, oprimir e envenenar sintetiza a tragédia do governo conduzido por um analfabeto funcional.

*Carlos Augusto é jornalista e cientista social.

Sobre Carlos Augusto 9528 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).