Prefeitura de Salvador lança campanha contra violência à mulher no Carnaval 2019

Lançamento da campanha contra violência à mulher no Carnaval 2019 de Salvador.

Lançamento da campanha contra violência à mulher no Carnaval 2019 de Salvador.

Pensando mais uma vez na garantia de direitos das mulheres, a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), lançou na noite deste domingo (03/03/2019), quarto dia oficial do Carnaval, a campanha “Respeita as meninas, as minas, as monas, moças, migas, menines e o bloco todo”. O objetivo é combater assédio e importunação de mulheres durante a folia.

O evento de lançamento, que foi realizado no Camarote Oficial da Prefeitura, no Campo Grande, contou com a presença da titular da SPMJ, Rogéria Santos, além da diretora de Políticas para Mulheres da pasta, Eurênia Sena, e representantes da Defensoria Pública do Estado e Ronda Maria da Penha, da Polícia Militar. “Campanhas como essa são de suma importância, necessárias em momentos como o Carnaval, de grande repercussão”, afirmou a secretária.

Rogéria explicou que ações de combate ao assédio e importunação sexual contra mulheres devem ser realizadas durante todo o ano também. “Mas no Carnaval se justifica pela grande aglomeração de pessoas, a quantidade de gente que conseguimos atingir. E neste ano é ainda mais importante, porque já está valendo a nova Lei de Importunação”, completou.

A nova lei estabelece que qualquer ação de cunho sexual não consentida pode ser considerada crime, com pena de até cinco anos de prisão. Adesivos e ventarolas referente à campanha de conscientização serão distribuídos para os foliões a partir da manhã desta segunda-feira (4).

“Essa campanha é muito importante pra gente conseguir atingir, de forma educativa, o combate à violência contra mulher. Incluindo aí até mesmo as crianças, indefesas”, disse Eurênia.

Evolução

A sociedade continua machista e assediadora, mas isso tem melhorado nos últimos anos. Ao menos é o que acredita foliões ouvidas pela reportagem curtindo o quarto dia de Carnaval, como a secretária Cristiane Oliveira, de 40 anos. Ela contou que já foi assediada em outros carnavais. “Acho essa campanha muito válida, porque os homens têm que reaprender a paquerar uma mulher. Eles têm que ‘chegar’ de uma forma mais educada, gentil”.

A professora Dandara Matos, 29, também percebeu uma melhora na abordagem dos homens. Porém, ela acredita que motivação para isso seja o medo da punição, e não o respeito merecido pelas mulheres. “Essas campanhas são positivas nos grandes eventos, mas também é importante manter durante todo o ano. Desejamos que evolua do medo, para o respeito”, afirmou.

Observatórios e atendimento

A Prefeitura também implantou observatórios para registrar e encaminhar casos de violência contra mulheres, com o intuito de reduzir ocorrências na festa. Coordenado pela Secretaria Municipal da Reparação (Semur), em parceria com a SPMJ, os observatórios estão distribuídos pelos circuitos e funcionando das 13h a 0h. Caso o folião presencie algum tipo de violência contra mulheres, também pode fazer a denúncia por meio do WhatsApp de número (71) 98622-5494.

O Centro de Atendimento à Mulher Soteropolitana Irmã Dulce, localizado na Ribeira, também oferece assistência jurídica, psicológica e social para as vítimas que forem encaminhadas pelas Delegacias Especiais de Atendimento à Mulher durante os festejos. O funcionamento é 24 horas e o centro tem capacidade para abrigar até 29 cidadãs.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).