A edição da revista Manchete sobre o 31 de março de 1964; Longa noite da democracia consolidou país estruturalmente desigual, cujo Estado violenta cotidianamente o povo

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Páginas 9 e 10 da revista Manchete de 31 de março de 1964.
Páginas 9 e 10 da revista Manchete de 31 de março de 1964.

“Restaurar a legalidade, revigorar a democracia, restabelecer a paz e promover o progresso e a justiça social.” À primeira vista, a frase poderia ser associada a algum pacifista ou ferrenho defensor do regime democrático, mas foi proferida pelo marechal Humberto de Alencar Castello Branco (1897-1967) em discurso de posse na Presidência da República em 1964, depois que um golpe depôs, pela via armada, um governo eleito pelo povo.

A longa noite

O ano de 2019 marca os 55 anos do Golpe Civil-Militar de 1964. Ele é, também, conhecido como Golpe de Estado no Brasil e designa o conjunto de eventos ocorridos em 31 de março de 1964, que culminaram, no dia 1ª de abril de 1964, com a implantação de uma Ditadura Civil-Militar. Episódio político que recebeu apoio de setores da elite e da classe média, cuja finalidade foi tomar o poder do governo progressista do presidente democraticamente eleito João Goulart, também conhecido como Jango. O Golpe de 1964 contou com o apoio financeiro e militar das autoridades dos Estados Unidos e os articuladores romperam com as facções democráticas e promoveram o fechamento do regime político.

O assunto volta a ganhar força não apenas pela demente e esquizofrênica tentativa do presidente Jair Bolsonaro comemorar o Golpe, mas, também, pela tentativa de reescrever a história, transformando bandidos em heróis.

O legado do mal

Destaca-se que após 21 anos da da Ditadura Civil-Militar de 1964, as promessas do general Castello Branco não se confirmaram. O Brasil tinha se tornado uma país de capitalismo dependente, qualificado pelas teorias da época como de Terceiro Mundo, cuja população apresentava acentuado grau de analfabetismo formal e instrumental e cujo Estado tinha sedimentado a desigualdade estrutural como elemento de expropriação permanente da classe trabalhadora, culminado com o processo de alienação histórica, o que não permite que setores da sociedade possam compreender o progressismo político como alternativa para o restabelecimento do Governo do Povo e dos princípios da socialdemocracia como forma de alcançar a prosperidade, através da equidade de classes.

Outro elemento sedimentado no Estado foi a violência estatal contra o própio povo, estrutura social que se manifesta nos negativos indicadores sociais e no elevado número de mortes de civis. Além disso, a corrupção estruturada na relação instituída entre Estado e Capitalistas alcançou novo patamar, sendo apenas combatida durante os governos democráticos de Lula e Dilma Rousseff, quando a Polícia Federal (PF), Controladoria Geral da União (CGU) e Ministério Público Federal (MPF) alcançaram maior autonomia institucional.

Negação da história

O historiador e cientista político Boris Fausto, 88 anos, é autor de estudos clássicos sobre a história do Brasil e foi professor titular do Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo. Em entrevista à Pública, ele diz que não havia “ameaça imediata de implantação de um regime comunista” nas vésperas do golpe militar que completa 55 anos na próxima segunda-feira. Segundo ele, as afirmações mais recentes de Jair Bolsonaro sobre a ditadura não são uma “reinterpretação”, mas a “negação de fatos” comprovados na historiografia em documentos, testemunhos e reconhecimento do estado brasileiro dos crimes cometidos no período de exceção (1964 a 1985). Fausto, que também é membro da Academia Brasileira de Ciências, vê o cenário futuro com preocupação. “Andei falando antes das eleições que estávamos na corda bamba, na beira do abismo e não vejo muitas razões para mudar essa sensação. É triste”. Registra reportagem de Thiago Domenici, veiculada neste sábado (30).

A revista Manchete

A edição da revista Manchete sobre o 31 de março de 1964 mostra que a maioria dos protagonistas políticos do Golpe de 1964 apoiaram a derrubada do Governo Goulart, mas a edição da revista não esconde que foi um Golpe na Democracia do Brasil.

Baixe

Edição da revista Manchete de 31 de março de 1964

Confira vídeo

 

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 10111 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).