A edição da revista Manchete sobre o 31 de março de 1964; Longa noite da democracia consolidou país estruturalmente desigual, cujo Estado violenta cotidianamente o povo

Páginas 9 e 10 da revista Manchete de 31 de março de 1964.
Páginas 9 e 10 da revista Manchete de 31 de março de 1964.
Páginas 9 e 10 da revista Manchete de 31 de março de 1964.
Páginas 9 e 10 da revista Manchete de 31 de março de 1964.

“Restaurar a legalidade, revigorar a democracia, restabelecer a paz e promover o progresso e a justiça social.” À primeira vista, a frase poderia ser associada a algum pacifista ou ferrenho defensor do regime democrático, mas foi proferida pelo marechal Humberto de Alencar Castello Branco (1897-1967) em discurso de posse na Presidência da República em 1964, depois que um golpe depôs, pela via armada, um governo eleito pelo povo.

A longa noite

O ano de 2019 marca os 55 anos do Golpe Civil-Militar de 1964. Ele é, também, conhecido como Golpe de Estado no Brasil e designa o conjunto de eventos ocorridos em 31 de março de 1964, que culminaram, no dia 1ª de abril de 1964, com a implantação de uma Ditadura Civil-Militar. Episódio político que recebeu apoio de setores da elite e da classe média, cuja finalidade foi tomar o poder do governo progressista do presidente democraticamente eleito João Goulart, também conhecido como Jango. O Golpe de 1964 contou com o apoio financeiro e militar das autoridades dos Estados Unidos e os articuladores romperam com as facções democráticas e promoveram o fechamento do regime político.

O assunto volta a ganhar força não apenas pela demente e esquizofrênica tentativa do presidente Jair Bolsonaro comemorar o Golpe, mas, também, pela tentativa de reescrever a história, transformando bandidos em heróis.

O legado do mal

Destaca-se que após 21 anos da da Ditadura Civil-Militar de 1964, as promessas do general Castello Branco não se confirmaram. O Brasil tinha se tornado uma país de capitalismo dependente, qualificado pelas teorias da época como de Terceiro Mundo, cuja população apresentava acentuado grau de analfabetismo formal e instrumental e cujo Estado tinha sedimentado a desigualdade estrutural como elemento de expropriação permanente da classe trabalhadora, culminado com o processo de alienação histórica, o que não permite que setores da sociedade possam compreender o progressismo político como alternativa para o restabelecimento do Governo do Povo e dos princípios da socialdemocracia como forma de alcançar a prosperidade, através da equidade de classes.

Outro elemento sedimentado no Estado foi a violência estatal contra o própio povo, estrutura social que se manifesta nos negativos indicadores sociais e no elevado número de mortes de civis. Além disso, a corrupção estruturada na relação instituída entre Estado e Capitalistas alcançou novo patamar, sendo apenas combatida durante os governos democráticos de Lula e Dilma Rousseff, quando a Polícia Federal (PF), Controladoria Geral da União (CGU) e Ministério Público Federal (MPF) alcançaram maior autonomia institucional.

Negação da história

O historiador e cientista político Boris Fausto, 88 anos, é autor de estudos clássicos sobre a história do Brasil e foi professor titular do Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo. Em entrevista à Pública, ele diz que não havia “ameaça imediata de implantação de um regime comunista” nas vésperas do golpe militar que completa 55 anos na próxima segunda-feira. Segundo ele, as afirmações mais recentes de Jair Bolsonaro sobre a ditadura não são uma “reinterpretação”, mas a “negação de fatos” comprovados na historiografia em documentos, testemunhos e reconhecimento do estado brasileiro dos crimes cometidos no período de exceção (1964 a 1985). Fausto, que também é membro da Academia Brasileira de Ciências, vê o cenário futuro com preocupação. “Andei falando antes das eleições que estávamos na corda bamba, na beira do abismo e não vejo muitas razões para mudar essa sensação. É triste”. Registra reportagem de Thiago Domenici, veiculada neste sábado (30).

A revista Manchete

A edição da revista Manchete sobre o 31 de março de 1964 mostra que a maioria dos protagonistas políticos do Golpe de 1964 apoiaram a derrubada do Governo Goulart, mas a edição da revista não esconde que foi um Golpe na Democracia do Brasil.

Baixe

Edição da revista Manchete de 31 de março de 1964

Confira vídeo

 

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9162 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).