Senado abre ano legislativo de 2019 com 16 bancadas partidárias; MDB domina com 13 parlamentares

Composição das Bancadas Partidárias do Senado para a 56ª legislatura.
Composição das Bancadas Partidárias do Senado para a 56ª legislatura.
Composição das Bancadas Partidárias do Senado para a 56ª legislatura.
Composição das Bancadas Partidárias do Senado para a 56ª legislatura.

A 56ª Legislatura do Senado Federal se inicia nesta sexta-feira (01/02/2019) com 16 bancadas representadas em Plenário. A distribuição dos senadores entre elas mostra uma homogeneidade partidária inédita.

As bancadas dos maiores partidos diminuiriam e o número de parlamentares em legendas de médio porte aumentou. A maior bancada ao início de 2019, a do MDB, contará com 13 senadores na eleição da Mesa. Esse será o menor número já registrado para a maior bancada.

Em seguida vem o PSD, com dez senadores. É a primeira vez que o segundo maior partido do Senado tem menos de 12 representantes.

O MDB e o PSD são as únicas bancadas que se descolam das demais, reunindo forças próprias que alcançam, sozinhas, pelo menos 10% da composição da Casa (nove senadores). Desde que o Senado passou a ter 81 parlamentares, em 1991, nunca houve menos do que três bancadas com esse tamanho.

No lugar da concentração de senadores no topo, o Senado verá uma aglutinação nas bancadas intermediárias. Todos os demais partidos contam com oito senadores ou menos. Ao todo, cerca de 72% da composição do Senado — 58 parlamentares — está filiada a um partido que possui representação pequena ou média na Casa.

Essa configuração inicial de bancadas ainda pode sofrer alterações profundas ao longo da 56ª legislatura, caso se confirme a tendência dos últimos anos. Entre 2015 e 2018 houve 44 mudanças partidárias por parte de senadores. Esse número é próximo ao que foi registrado nas três legislaturas anteriores somadas (50 entre 2003 e 2014). Nos dias que antecederam a posse já foram sete trocas de partidos entre os novos senadores.

As eleições de 2018 promoveram a maior renovação da história recente do Senado Federal. Dos 81 senadores que iniciarão o ano legislativo, 49 não estavam na Casa. Um número recorde de 32 senadores tentou a reeleição no ano passado, mas apenas 25% tiveram sucesso — a taxa de reeleição mais baixa já registrada.

Sobre Carlos Augusto 9719 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).