Major Olimpio cobra apuração de ‘fraude’ em eleição do Senado

Major Olímpio quer imagens da primeira votação, em que foram registradas 82 cédulas — uma a mais do que o número de senadores.
Major Olímpio quer imagens da primeira votação, em que foram registradas 82 cédulas — uma a mais do que o número de senadores.
Major Olímpio quer imagens da primeira votação, em que foram registradas 82 cédulas — uma a mais do que o número de senadores.
Major Olímpio quer imagens da primeira votação, em que foram registradas 82 cédulas — uma a mais do que o número de senadores.

Em entrevista aos jornalistas neste sábado (02/02/2019), o senador Sérgio Olímpio Gomes (Major OlÍmpio, PSL-SP) cobrou a apuração do que chamou de “fraude”, que teria ocorrido na primeira votação para presidente da Casa. Após a anulação do pleito, o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) foi eleito em uma segunda votação.

— Já fiz a solicitação formal. Já reiterei ao novo presidente da Casa que nós tenhamos esse conteúdo de imagens, do circuito interno da Câmara, bem como eventualmente as imagens da TV Senado. Encareço até aos grupos de comunicação e pessoas que possam ter imagens de momento da votação na urna — afirmou Major Olímpio.

O senador, que renunciou à disputa em favor de Alcomumbre, disse ainda que a ocorrência de fraude envergonha a eleição para a Presidência do Senado, mesmo após a conclusão do pleito.

— Nós temos a expectativa de ter essas imagens para que possamos dar encaminhamento ao Ministério Público para uma denúncia-crime de quem patrocinou uma fraude dessa, que foi mais uma desmoralização para o Senado.

Na avaliação de Major Olimpio, a vitória de Davi Alcolumbre representa uma renovação para o Senado, tendo sido facilitada pela renúncia do candidato do MDB, Renan Calheiros (AL).

— Não acredito que o clamor da disputa possa gerar rancores que possam gerar obstruções de qualquer natureza [em futuras votações] — concluiu.

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9383 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).