Deputado Daniel Almeida critica crescimento de casos de intolerância religiosa

Daniel Almeida: O 21 de janeiro tem uma importância singular para assegurar o direito à livre manifestação religiosa.
Daniel Almeida: O 21 de janeiro tem uma importância singular para assegurar o direito à livre manifestação religiosa.
Daniel Almeida: O 21 de janeiro tem uma importância singular para assegurar o direito à livre manifestação religiosa.
Daniel Almeida: O 21 de janeiro tem uma importância singular para assegurar o direito à livre manifestação religiosa.

Após 12 anos da instituição da Lei Federal 11.635/2007 que celebra o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, de autoria do deputado federal Daniel Almeida (PCdoB), cresce os números de casos de intolerância religiosa na Bahia. No último dia (12/01/2019), o Terreiro Ilê Axé Ojisé Olodumare, conhecido como Casa do Mensageiro, em Barra do Pojuca, Camaçari, foi invadido por homens armados que espalharam pânico levando pertences e celulares dos visitantes e fiéis da casa durante a ação.

Segundo dados da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial do Estado da Bahia (Sepromi), em 2018 foram registrados 141 casos, 84 de racismo e 47 de intolerância. O Ministério Público do Estado registrou, através do aplicativo ‘Mapa do Racismo’, 43 denúncias de casos de racismo, injúria racial e intolerância religiosa. O Disque 100, canal de serviço do Ministério dos Direitos Humanos que atende situações de violações, cadastrou 210 denúncias de desrespeito às religiões e crenças no primeiro semestre do ano de 2018.

“O 21 de janeiro tem uma importância singular para assegurar o direito à livre manifestação religiosa. Pois, embora garantido pela constituição, a liberdade de crença religiosa ainda é um desafio para milhões de brasileiros, a exemplo de indígenas, quilombolas e praticantes de religiões afro-brasileiras. Não podemos permitir o desrespeito ao espaço sagrado, precisamos abrir espaço para todas as religiões e denominações religiosas”, disse Daniel.

A Lei Federal 11.635/07, que cria o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, comemorado no dia 21 de janeiro, surgiu como uma homenagem à Iyalorixá Gildásia dos Santos – a Mãe Gilda. A religiosa morreu em 21/1/2000 vítima de complicações de um infarto após ter sua foto publicada na matéria “Macumbeiros charlatões lesam o bolso e a vida dos clientes”, do jornal Folha Universal. Por conta da reportagem, a casa onde ela residia foi invadida, seu esposo foi ofendido e agredido e o Terreiro depredado.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 110959 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]