Caso COOPERSADE: “Quem conhece Zé Ronaldo acha muito pouco provável”, diz articulista político Levi Vasconcelos, sobre acusações a ex-prefeito

Levi Vasconcelos: quem conhece Zé Ronaldo de perto, a vida pessoal, o que ele tem de condição financeira, onde ele mora, acha muito pouco provável que tenha entrado em falcatrua.
Levi Vasconcelos: quem conhece Zé Ronaldo de perto, a vida pessoal, o que ele tem de condição financeira, onde ele mora, acha muito pouco provável que tenha entrado em falcatrua.
Levi Vasconcelos: quem conhece Zé Ronaldo de perto, a vida pessoal, o que ele tem de condição financeira, onde ele mora, acha muito pouco provável que tenha entrado em falcatrua.
Levi Vasconcelos: quem conhece Zé Ronaldo de perto, a vida pessoal, o que ele tem de condição financeira, onde ele mora, acha muito pouco provável que tenha entrado em falcatrua.

“Um sujeito bem resolvido… tá difícil pra gente que o acompanha a vida toda acreditar que ele tenha metido a mão numa cumbuca dessa, logo na saúde. Um cidadão como Zé Ronaldo, que demonstrava suas preocupações com o segmento, tá difícil engolir essa, viu, amigo”. A declaração é do jornalista baiano Levi Vasconcelos, colunista político de “A Tarde”, de Salvador, ao analisar denúncias do Ministério Público da Bahia (MPBA) contra o ex-prefeito José Ronaldo, de Feira de Santana, relativas a uma dispensa de licitação para o setor, ocorrida em 2013.

Também comentarista da Band News, foi em um programa jornalístico apresentado nesta emissora que o experiente articulista político fez a sua avaliação, dando a entender não acreditar que o ex-prefeito de Feira de Santana tenha agido ilegalmente na contratação, em caráter emergencial, da Coopersade, para dar continuidade aos serviços de saúde no município.

Ronaldo diz que assim foi feito pela administração municipal em razão do quadro encontrado à época. Tão logo assumiu o seu terceiro mandato, em abril de 2013, relata que foi necessário ao Governo dar início a uma licitação para contratar empresa ou instituição que forneceria mão de obra especializada visando a prestação de serviços em unidades de saúde da Prefeitura.

Devido a questionamentos por parte de licitantes, o processo que chegou a ser iniciado acabou sendo cancelado, para que fosse feito um outro, com as correções devidas. Enquanto se desenvolvia o novo processo para contratação definitiva, a administração tinha duas opções, segundo ele: parar o atendimento a milhares de feirenses que dependem da saúde pública ou contratar emergencialmente um prestador.

A segunda opção foi a escolhida, mas incluindo cláusula que determinava o encerramento do contrato emergencial tão logo fosse encerrada a licitação. E o valor pago a Coopersade permaneceria o mesmo de dois anos atrás. “Não houve prejuízo algum para o erário, muito pelo contrário: sequer reajustamos a remuneração pela inflação do período”.

Diz Levi: “quem conhece Zé Ronaldo de perto, a vida pessoal, o que ele tem de condição financeira, onde ele mora, acha muito pouco provável que tenha entrado em falcatrua. Não demonstra nenhum sinal de riqueza, nenhum sinal de nada mais além do padrão que ele tem condição de ostentar. Ex-prefeito quatro vezes, vereador, deputado estadual e deputado federal, ao longo de sua trajetória toda, sempre ficha limpa, agora, no fim, iria armar um esquema pra levar dinheiro justamente da saúde?”

Leia +

Deliberação do TCM isenta ex-prefeito José Ronaldo de conduta dolosa ou indício de malversação dos recursos públicos decorrente da contratação da COOPERSADE pelo Município de Feira de Santana

Sobre Carlos Augusto 9719 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).