Presidente eleito Jair Bolsonaro pretende migrar Comunicação para Secretaria de Governo; SECOM será comandada pelo publicitário Floriano Barbosa

General de Brigada Floriano Peixoto Vieira Neto (reserva). Ele é um graduado da Academia Militar das Agulhas Negras e tem servido como comandante de três diferentes exército batalhões e também como oficial de ligação do Exército Brasileiro e professor dos Estados Unidos na Academia Militar de West Point, Nova York. Desde abril de 2009 até abril de 2010, o Major Gn. Floriano Peixoto foi o comandante da MINUSTAH, sob mandato do Conselho de Segurança da ONU.
General Floriano Peixoto será nº 2 da Secretaria-Geral do Governo Bolsonaro.
General de Brigada Floriano Peixoto Vieira Neto (reserva). Ele é um graduado da Academia Militar das Agulhas Negras e tem servido como comandante de três diferentes exército batalhões e também como oficial de ligação do Exército Brasileiro e professor dos Estados Unidos na Academia Militar de West Point, Nova York. Desde abril de 2009 até abril de 2010, o Major Gn. Floriano Peixoto foi o comandante da MINUSTAH, sob mandato do Conselho de Segurança da ONU.
General Floriano Peixoto será nº 2 da Secretaria-Geral do Governo Bolsonaro.

A Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (SECOM) deve ser vinculada à Secretaria de Governo na gestão de Jair Bolsonaro. Pela estrutura atual, é ligada diretamente à Secretaria-Geral da Presidência da República. À frente da Secom, ficará o publicitário Floriano Barbosa de Amorim Neto, assessor do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente eleito.

Barbosa trabalha com a família há pelo menos três anos, no gerenciamento das redes sociais do deputado federal e do próprio presidente eleito. As informações foram confirmadas à Agência Brasil por assessores de Bolsonaro. A Secom será vinculada à Secretaria de Governo, cujo comando será entregue ao general Carlos Alberto dos Santos Cruz.

Paralelamente, deverá ser criada uma assessoria especial, ligada ao gabinete da Presidência da República, para cuidar da comunicação de Bolsonaro. Essa estrutura estaria separada da Secom. Segundo assessores do presidente eleito, no entanto, a criação dessa assessoria especial ainda está em estudo e poderá ser revista com a ida de Floriano para o comando da Secom.

O anúncio do futuro chefe da Secom deverá ocorrer na próxima semana.

Transição

O general Floriano Peixoto, que atua na equipe de transição analisando os contratos de publicidade do governo federal, deverá ser nomeado secretário-executivo de Gustavo Bebianno, futuro ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da Presidência, segundo apurou a reportagem da Agência Brasil.

Na semana passada, quando o ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, apresentou a lista dos 22 ministérios do futuro governo, a Secom aparecia vinculada à Secretaria-Geral da Presidência.

*Com informações da Agência Brasil.

Sobre Carlos Augusto 9707 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).