Presidente eleito Jair Bolsonaro diz que “pode sair” do Acordo de Paris e critica Pacto Global de Migração; Governante vai na contraordem dos valores humanitários e dos ensinamentos do Papa Francisco prescritos na ‘Laudato Si’

Chefes de estados e governos em imagem da abertura da Conferência Mundial sobre Mudança Climática 2015 (COP21), realizada em Le Bourget, perto de Paris, França, em 30 de novembro de 2015.
Chefes de estados e governos em imagem da abertura da Conferência Mundial sobre Mudança Climática 2015 (COP21), realizada em Le Bourget, perto de Paris, França, em 30 de novembro de 2015.

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta quarta-feira (12/12/2018) em pronunciamento pelas redes sociais que pretende propor, via Itamaraty, mudanças ao Acordo de Paris. “Se não mudar, sai fora. Porque temos de ficar? É um acordo possivelmente danoso para a nossa soberania”, afirmou.

“Muitos estão fora, não assinaram. Por que o Brasil tem de ficar, para ser politicamente correto?”, questionou. Segundo ele, o Brasil pode não conseguir cumprir, até 2030, as exigências previstas no Acordo de Paris – e passaria a correr riscos de sofrer “sanções até de força”. “Não conseguiremos reflorestar uma área do tamanho do Rio de Janeiro”, exemplificou.

Bolsonaro voltou a criticar “a indústria de multas abusivas e extorsivas do Ibama”, fruto supostamente de  “capricho de alguns fiscais”. Ele citou vários exemplos – corte de uma árvore que está caindo, derrame de pouco combustível de trator na terra, pesca feita por pequenos pescadores que recebem multa “inacreditável”. “Não podem continuar agindo desta forma. Política ambiental não pode atrapalhar o desenvolvimento do país”, disse, defendendo a rápida concessão de licenças ambientais. “Isso atrapalha prefeitos, impede que se abra e até se faça manutenção de estrada, principalmente na Amazônia”, disse. “Vamos acabar com isso. Se precisar de nova lei, iremos ao Parlamento”, afirmou.

Jair Bolsonaro também criticou o Pacto Global de Migração, assinado recentemente pelo governo brasileiro. “Todos somos migrantes no Brasil, mas não podemos escancarar as portas para [todo mundo] vir numa boa.” Segundo ele, é preciso ter cautela com a “cultura totalmente diferente da nossa”. E deu o seguinte exemplo: “Chegar aqui e querer casar com crianças de 11 anos”. “Não podemos admitir certo tipo de gente que venha para o Brasil desrespeitando nossa cultura e nossa religião”, resumiu.

Ele passou então a falar sobre Roraima. “Olha Roraima. Se fosse rei de Roraima, com tecnologia, eu, em 20 anos, teria economia igual ao do Japão”, previu. O presidente eleito disse que conhece o estado, que é uma terra repleta de minerais – “tem toda a tabela periódica ali” – e que conversou com os indígenas locais. Ele defendeu a “integração dos mesmos à sociedade”. Segundo Bolsonaro, os índios querem o mesmo que todo brasileiro. “Não queremos que fiquem atrapalhando o desenvolvimento da nação. Os índios podem receber royalties pela energia elétrica e pela mineração”, sugeriu. “Por que eles têm de ser tratados como se estivessem na idade da pedra?”.

Ainda se referindo a Roraima, afirmou: “Temos como mexer naqueles pedaços de terra mais ricos do mundo”. “Como pode uma terra rica daquela ter que ficar pedindo dinheiro para União? Era para Roraima dar dinheiro pra União!”, completou.

Bolsonaro terminou sua transmissão ao vivo dizendo que escolheu seus ministérios sem interferência politica. Comentou, por fim, o caso do ex-assessor de seu filho, o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).  “Temos problema com um ex-assessor nosso, do Flávio, com movimentação atípica. Vai ser ouvido na semana que vem. (…) Que paguemos a conta, se algo estiver errado comigo ou com meu filho, mas nós não somos investigados”, destacou.

“Dói no coração da gente, porque defendemos o mais firme combate à corrupção. E usaremos o próprio Coaf para combater isso”, prometeu. Bolsonaro informou que repetirá semanalmente este contato para prestar contas de seu trabalho em Brasília. “O Brasil é nosso. Muito obrigado”.

Contraordem humanitária

Ao criticar o Acordo de Paris e critica Pacto Global de Migração, o presidente eleito Jair Bolsonaro apresenta visão distorcida da realidade e vai na contraordem dos valores humanitários e dos ensinamentos do Papa Francisco, que preconiza através da encíclica ‘Laudato Si’ o desenvolvimento humano pautado pela ecologia integral. Na carta, o líder religioso alerta para a intensificação do processo de mudança climática e a ampliação das formas exploratórias da classe trabalhadora e dos povos tradicionais. O papa lembra que a substituição dos muros que separam a humanidade, por pontes que aproximam povos e pessoas, evem ser tratados como aspectos da a irmandade e caridade a serem cultivadas pelos indivíduos.

*Com informações da Agência Brasil.

Chefes de estados e governos em imagem da abertura da Conferência Mundial sobre Mudança Climática 2015 (COP21), realizada em Le Bourget, perto de Paris, França, em 30 de novembro de 2015.
Chefes de estados e governos em imagem da abertura da Conferência Mundial sobre Mudança Climática 2015 (COP21), realizada em Le Bourget, perto de Paris, França, em 30 de novembro de 2015.
Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9738 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).