Japão vai retomar caça comercial de baleias em 2019

País, que tentou derrubar proibição da Comissão Internacional da Baleia, junta-se agora a Islândia e Noruega, únicas nações que praticam a caça para fins comerciais. Japoneses garantem que não pescarão no hemisfério sul.
País, que tentou derrubar proibição da Comissão Internacional da Baleia, junta-se agora a Islândia e Noruega, únicas nações que praticam a caça para fins comerciais. Japoneses garantem que não pescarão no hemisfério sul.
País, que tentou derrubar proibição da Comissão Internacional da Baleia, junta-se agora a Islândia e Noruega, únicas nações que praticam a caça para fins comerciais. Japoneses garantem que não pescarão no hemisfério sul.
País, que tentou derrubar proibição da Comissão Internacional da Baleia, junta-se agora a Islândia e Noruega, únicas nações que praticam a caça para fins comerciais. Japoneses garantem que não pescarão no hemisfério sul.

O Japão anunciou nesta quarta-feira (26/12/2018) que decidiu se retirar da Comissão Internacional da Baleia (CIB) e comunicou que retomará a caça desses animais com fins comerciais a partir de julho de 2019.

A decisão foi informada pelo porta-voz do governo japonês, Yoshihide Suga, que disse que os baleeiros japoneses retomarão as suas atividades nas suas águas territoriais e na sua zona econômica exclusiva. “Não vamos caçar nas águas antárticas ou no hemisfério sul”, garantiu Suga.

O porta-voz do governo japonês disse que, a partir de sua retirada da CIB, o país atuará como observador dentro da organização e garantiu que o governo em Tóquio continua comprometido com o uso dos recursos marítimos de acordo com dados científicos.

Ele afirmou ainda que o Japão comunicará sua decisão à CIB até o final do ano. O governo japonês tentou persuadir a comissão, criada em 1946 e formada atualmente por 88 países, para permitir sua caça comercial, mas a organização internacional rejeitou a proposta em setembro em reunião realizada em Florianópolis.

Como resultado, esperava-se que Tóquio encerrasse sua participação na CIB. Os japoneses juntam-se assim à Islândia e à Noruega, únicos países que praticam a caça de baleias para fins comerciais, e abre caminho a duras críticas da comunidade internacional e das organizações defensoras dos direitos dos animais.

Na prática, o Japão nunca suspendeu por completo a caça de baleias, recorrendo a uma lacuna da moratória sobre a caça comercial de 1986 que permite a captura de baleias para fins científicos e a caça aborígene de subsistência praticada por povos tradicionais em determinadas regiões. A moratória foi introduzida depois de algumas espécies terem ficado à beira da extinção devido à prática.

Estima-se que o país realize a caça de cerca de 450 baleias por ano e atividades baleeiras com navios de pesquisas especialmente na Antártida.

O Japão defende com firmeza a caça comercial às baleias. Há muito tempo, Tóquio argumenta que a maioria das espécies de baleias não está ameaçada e que comer esses animais faz parte de sua cultura.

Apesar de o governo defender ativamente a caça, o consumo de carne de baleia no país está em declínio. Autoridades da pesca afirmam que a carne de baleia é mais popular entre os segmentos mais velhos da população japonesa do que entre os jovens.

*Com informações do DW.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108160 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]