Feira de Santana: Fé compartilhada, caruru, vermelho e branco são ingrediente das comemorações em homenagem a Santa Bárbara

Bárbara de Nicomédia (Nicomédia, c. 280 - Nicomédia, c. 317) foi uma virgem mártir do século III comemorada como santa cristã na Igreja Católica Romana e na Igreja Ortodoxa. Em Portugal e no Brasil, tornou-se popular a devoção à Santa Bárbara, invocada como protetora por ocasião de tempestades, raios e trovões.
Bárbara de Nicomédia (Nicomédia, c. 280 - Nicomédia, c. 317) foi uma virgem mártir do século III comemorada como santa cristã na Igreja Católica Romana e na Igreja Ortodoxa. Em Portugal e no Brasil, tornou-se popular a devoção à Santa Bárbara, invocada como protetora por ocasião de tempestades, raios e trovões.
Bárbara de Nicomédia (Nicomédia, c. 280 - Nicomédia, c. 317) foi uma virgem mártir do século III comemorada como santa cristã na Igreja Católica Romana e na Igreja Ortodoxa. Em Portugal e no Brasil, tornou-se popular a devoção à Santa Bárbara, invocada como protetora por ocasião de tempestades, raios e trovões.
Bárbara de Nicomédia (Nicomédia, c. 280 – Nicomédia, c. 317) foi uma virgem mártir do século III comemorada como santa cristã na Igreja Católica Romana e na Igreja Ortodoxa. Em Portugal e no Brasil, tornou-se popular a devoção à Santa Bárbara, invocada como protetora por ocasião de tempestades, raios e trovões.

Missa na Igreja Senhor dos Passos, às 8:30 horas, depois procissão com a imagem de Santa Bárbara e outros santos até o Centro de Abastecimento de Feira de Santana – pela avenida Getúlio Vargas e rua Olímpio Vital. Missa no entreposto, procissão por algumas das suas ruas, caruru e samba de roda até as 15h30. É dia dos fieis vestirem vermelho e branco.

E na cozinha do Restaurante Popular o caruru e o vatapá já estão sendo preparados. Mãos habilidosas preparam os 60 quilos de camarão, cortam os cinco mil quiabos e cortam os 1,2 mil quilos de frango e outros ingredientes. Tudo será levado ao fogo nas primeiras horas da manhã desta terça-feira. Vai ser servido a partir das 11h30.

Comida para mais de 3 mil pessoas

Vai ter comida suficiente para atender a três mil pessoas, afirma o diretor do Centro de Abastecimento, Delorme Martins. “É uma tradição que a Prefeitura de Feira mantém há mais de quarenta anos, com a participação ativa dos comerciantes”. Mesmo em obras, as cerimônias serão realizadas próximo de onde aconteciam.

A programação do 4 de dezembro será extensa e agitada, quando católicos e candomblecistas, o povo do santo, prestam homenagens a Santa Bárbara e a Iansã, respectivamente. A divindade é extremamente popular entre os adeptos das duas religiões e uma síntese da mistura de crenças.

No entreposto será realizada a tradicional missa, onde o sincretismo mostra toda a sua força. Depois da devoção, entra em cena o samba de roda, parte integrante desta comemoração. Neste ano, a Quixabeira da Lagoa da Camisa, distrito de Maria Quitéria, é quem vai se apresentar. A cantora Mara vai animar os presentes.

Sobre Carlos Augusto 9719 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).