Espaços de gestão e controle social das políticas para crianças e adolescentes | Por Reginaldo de Souza Silva

Conselhos Setoriais (dos Direitos da Criança e do Adolescente; da Educação; da Assistência Social, Saúde etc) foram criados com participação mais expressiva e decisória da sociedade civil, com direito a voz, voto e poder de deliberação.
Conselhos Setoriais (dos Direitos da Criança e do Adolescente; da Educação; da Assistência Social, Saúde etc) foram criados com participação mais expressiva e decisória da sociedade civil, com direito a voz, voto e poder de deliberação.
Conselhos Setoriais (dos Direitos da Criança e do Adolescente; da Educação; da Assistência Social, Saúde etc) foram criados com participação mais expressiva e decisória da sociedade civil, com direito a voz, voto e poder de deliberação.
Conselhos Setoriais (dos Direitos da Criança e do Adolescente; da Educação; da Assistência Social, Saúde etc) foram criados com participação mais expressiva e decisória da sociedade civil, com direito a voz, voto e poder de deliberação.

As grandes manifestações sociais de entidades de atendimento e defesa, crianças e adolescentes e, órgãos oficiais, tiveram um importante papel na luta pela erradicação da doutrina de situação irregular e discriminatória, prevista no antigo Código de Menores/79, para a doutrina de proteção integral e de defesa dos direitos da criança e do adolescente, instituída pela Constituição Federal – CF/88, resultando em uma gestão descentralizada e democrática das políticas sociais nas diversas áreas.

Conselhos Setoriais (dos Direitos da Criança e do Adolescente; da Educação; da Assistência Social, Saúde etc) foram criados com participação mais expressiva e decisória da sociedade civil, com direito a voz, voto e poder de deliberação. Além de responsáveis pela deliberação das políticas, os conselhos devem ser também os gestores dos fundos dos direitos da criança e do adolescente.

Os avanços contemplados no Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA/90 enfrentam ainda várias questões que fragilizam a autonomia dos conselhos no cotidiano, tais como, os vetos governamentais e/ou a utilização de mecanismos de obstrução e inviabilização das suas resoluções no âmbito do poder público, a politicagem e troca de favores, a falta de estrutura, garantia de participação dos conselheiros e respeito as suas decisões etc.

O Brasil possuí 5.570 municípios. Destes, 5.481, (98,4%) possuíam conselhos de direitos da criança e do adolescente, assim como os 27 estados e o Distrito Federal. Os conselhos têm um papel central na elaboração e monitoramento da implantação dos Planos Decenais de Direitos da Criança e do Adolescente, além do monitoramento dos demais planos setoriais.

Infelizmente, com raríssimas exceções o fomento à participação de crianças e adolescentes nos espaços de discussão de políticas voltadas para garantia dos seus direitos, bem como no encaminhamento e monitoramento das denúncias de violações de direitos, na organização e realização das conferências e monitoramento da implantação de seus resultados e na gestão dos Fundos DCA são apenas folclóricos.

Decorridos quase 30 anos da CF/88 e 28 anos do ECA/90, a realidade é que democratizar os espaços de gestão ainda é um grande desafio para o país e objeto de luta da sociedade civil.

As Conferencias Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente devem apontar caminhos para garantir: a autonomia dos conselhos, o respeito às suas deliberações e o que fazer para melhorar a relação/integração entre os conselhos nacional, estaduais e municipais e os fóruns municipais e estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente.

O fortalecimento dos conselhos tutelares e a potencialização da incidência política e controle social das redes, fóruns e organizações da sociedade civil defensoras dos direitos de crianças e adolescente. É relevante também refletir sobre as situações de disputa vivenciadas entre conselhos de direitos e conselhos tutelares em alguns municípios.

O grande desafio é mobilizar os principais atores do Sistema de Garantia de Direitos e a população em geral para implantar e monitorar a Política e o Plano. Combater a alta rotatividade do(a)s conselheiro(a)s, representantes governamentais, a baixa ou inexistente política de formação dos conselheiro(a)s.

As universidades podem e devem contribuir na criação e implantação das Escolas de Conselhos e/ou cursos de formação para os conselheiro(a)s, fortalecendo a articulação dos conselhos de direitos com os demais conselhos setoriais, fortalecendo a intersetorialidade das políticas públicas e integração das ações.

*Prof. Dr. Reginaldo de Souza Silva, coordenador do Núcleo de Estudos da Criança e do Adolescente, Prof. Dr. Paulo Duarte Paes – UFMS.

*Prof. Dr. Reginaldo de Souza Silva, coordenador do Núcleo de Estudos da Criança e do Adolescente da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – NECA/UESB; Prof. Dr. Paulo Paes – UFMS.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108758 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]