Academia de Letras da Bahia lamenta o falecimento de Mãe Stella de Oxóssi e decreta luto oficial por três dias

Maria Stella de Azevedo dos Santos (Mãe Stella de Oxóssi).
Maria Stella de Azevedo dos Santos (Mãe Stella de Oxóssi).
Maria Stella de Azevedo dos Santos (Mãe Stella de Oxóssi).
Maria Stella de Azevedo dos Santos (Mãe Stella de Oxóssi).

A Academia de Letras da Bahia expressou o seu grande pesar pelo falecimento, nesta quinta-feira 27 de dezembro de 2018, de Maria Stella de Azevedo dos Santos (Mãe Stella de Oxóssi). A instituição, que tinha a Ialorixá como uma de suas acadêmicas (ela tomou posse em 2013, escolhida por seus méritos como escritora), decretou luto oficial por três dias.

Nascida em Salvador, Bahia, em 2 de maio de 1925, Mãe Stella, como era mais conhecida, notabilizou-se como uma das mais importantes Iyalorixás do Brasil, exercendo de forma bastante dinâmica sua missão espiritual. Iniciada no Candomblé por Mãe Senhora, em 12 de setembro de 1939, foi escolhida como a quinta Iyalorixá do Terreiro Ilê Axé Opô Afonjá, em 19 de março de 1976, realizando por mais de 40 anos um trabalho espiritual e educativo de excepcional valor, tendo criado, em 1978, a Escola Municipal Eugênia Anna dos Santos, voltada para a preservação da identidade do afro descendente, além de uma biblioteca móvel com livros, vídeos e gravações sobre diferentes religiões.

Em reconhecimento ao seu trabalho, Mãe Stella ganhou, em 2001, o prêmio jornalístico Estadão, na condição de fomentadora de cultura, além dos títulos de Membro Honorário Del Templo Yorubá de Porto Rico, 1993; Medalha Dois de Julho, 1997 e Medalha Maria Quitéria, 1997 – Câmara Municipal de Salvador; Medalha de Ordem ao Mérito da Cultura na Classe Comendador – Presidência da República, 1999; Outorga do título Doutor Honoris Causa/ UFBA, 2005; Medalha Zumbi dos Palmares, 2005; Outorga do título Doutor Honoris Causa/UNEB, 2009.

Por seus méritos também como escritora, Mãe Stella foi eleita em 23 de maio de 2013 para a Academia de Letras da Bahia. Tomou posse em 12 de setembro 2013, no salão nobre da atual sede, sendo saudada pela poeta Myriam Fraga. É autora dos livros “E daí aconteceu o encanto”, em coautoria com Cléo Martins (Salvador: Edição independente, 1988), Meu tempo é agora (São Paulo: Editora Oduduwa, 1993), Òsòsi, o caçador de alegrias (Salvador: Secult – Secretaria de Cultura da Bahia, 2006), Òwe-Provérbios (Salvador: Edição independente, 2007), Epé Laiyé, terra viva (Salvador: Edição independente, 2009), Opinião (Salvador: EGBA – Empresa Gráfica da Bahia reunindo artigos escritos quinzenalmente para a coluna Opinião do Jornal A Tarde).

Outra faceta marcante de sua trajetória foi o posicionamento firme contra a intolerância religiosa, defendendo relações respeitosas e harmônicas entre as diversas religiões, manifestando-se também contrária ao sincretismo religioso. Para ela, cada religião deve se manter fiel à sua própria essência.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111094 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]