Início do fim? Dólar estadunidense sofre queda drástica na cotação internacional

Dólar estadunidense sofre queda drástica.
Dólar estadunidense sofre queda drástica.
Dólar estadunidense sofre queda drástica.
Dólar estadunidense sofre queda drástica.

O dólar dos EUA está desvalorizando em relação a quase todas as moedas principais globais. A colunista da Sputnik, Natalia Dembinskaya, explicou por que a moeda que domina o sistema financeiro mundial enfrenta tais dificuldades.

Segundo Dembinskaya, as últimas quedas foram provocadas pelas declarações do secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin. Ele afirmou que suporta o enfraquecimento da moeda norte-americana.

Mais um golpe contra o dólar foi feito pelo jornal norte-americano The Wall Street Journal, que compartilhou a crítica do presidente dos EUA, Donald Trump, da política realizada pela Reserva Federal (banco central dos EUA) que continua aumentando as taxas de juro.

Entretanto, os analistas financeiros acreditam que o colapso real e mais maciço da moeda dos EUA está por vir, explicou a analista à Sputnik.

Em outubro, os mercados de valores dos EUA, Ásia e Europa, enfrentaram perdas causadas pela venda maciça de ações. Uma das razões principais dessa queda é a preocupação dos investidores com o aumento das taxas de juros norte-americanas.

A política monetária restritiva da Reserva Federal levou ao aumento do rendimento dos títulos da dívida pública dos EUA, bem como dos das taxas de créditos hipotecários e, como consequência, causando a redução da demanda no mercado imobiliário. Segundo os analistas, as taxas de juros continuarão crescendo ainda mais, porque nos EUA observa-se uma pressão inflacionária.

Donald Trump critica a política monetária da Reserva Federal, chamando-a de principal ameaça para seu sucesso como líder dos EUA. No entanto, a Reserva Federal é uma entidade independente que não depende da Casa Branca e que não sofre pressão do presidente. O aumento das taxas de juro ou outros instrumentos da política monetária restritiva levam ao aumento do custo de empréstimos para as empresas. E vez de pagar dividendos e salários e investir em seu negócio, os empresários são forçados a canalizar todos seus fluxos monetários ao pagamento de dívidas. Isso afeta a prosperidade de acionistas e trabalhadores e, como consequência, a de toda economia em geral.

Além disso, as taxas de juro nos EUA foram extremamente baixas durante muitos anos. É por isso que as empresas norte-americanas costumaram viver a crédito. Quando a Reserva Federal aumenta as taxas, essas empresas são forçadas a pedir emprestado cada vez mais dinheiro para pagar suas próprias dívidas com taxas ainda maiores. Esse processo poderia levar a uma cadeia de falências, enfraquecendo a economia dos EUA e sua moeda nacional.

*Com informações da Agência Sputnik Brasil.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 110917 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]