Eleições 2018: Sejamos adversários políticos, não inimigos, diz Dom Orani João Tempesta

Em vista das eleições, no Brasil, o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, envia mensagem de paz e menos ódio a todos eleitores: "que cada um possa ver sua responsabilidade de depositar seu voto naqueles que podem ajudar o país a caminhar melhor, e que o faça sem ódio no coração".
Em vista das eleições, no Brasil, o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, envia mensagem de paz e menos ódio a todos eleitores: "que cada um possa ver sua responsabilidade de depositar seu voto naqueles que podem ajudar o país a caminhar melhor, e que o faça sem ódio no coração".
Em vista das eleições, no Brasil, o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, envia mensagem de paz e menos ódio a todos eleitores: "que cada um possa ver sua responsabilidade de depositar seu voto naqueles que podem ajudar o país a caminhar melhor, e que o faça sem ódio no coração".
Em vista das eleições, no Brasil, o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, envia mensagem de paz e menos ódio a todos eleitores: “que cada um possa ver sua responsabilidade de depositar seu voto naqueles que podem ajudar o país a caminhar melhor, e que o faça sem ódio no coração”.

Dom Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, que, nesta semana, participou do V Seminário de Comunicação no Centro de Estudos do Sumaré, concedeu entrevista ao Vatican News e abordou o tema das eleições neste domingo (07/10/2018). Segundo ele, o país está vivendo uma semana bastante polarizada, “muitas vezes não sobre temas políticos, mas por questões pessoais”, e às vezes até com posicionamentos violentos.

O arcebispo enviou mensagem de paz nas eleições, alertando para que não sejamos inimigos, mas adversários políticos, sem ódio e com paz. Dom Orani ainda sugeriu estudar e rezar para fazer boas escolhas e respeitar a decisão do irmão:

“Nós somos um povo que tem uma índole de conviver como irmãos e irmãs uns dos outros que podemos discordar dos partidos, na questão política, em como governar um país e ser adversário político, mas nunca inimigos uns dos outros. Nunca inimigos de ficarem com ódio uns dos outros, de perder amizades, de fazer o mal um para com outro. Isso é muito ruim. Esse aspecto desses ódios de nós contra eles entrou muito em nosso país e isso tem sido devastador. Isso não pode continuar. Esperamos que nesses dias as pessoas rezem e estudem sobre seus candidatos, façam as escolhas com tranquilidade e respeitem a escolha dos outros e, nós, respeitemos aqueles que forem escolhidos ou no primeiro e no segundo turno para presidente da República, governador dos estados, deputados federais e senadores, que são as eleições que teremos neste próximo domingo. Que cada um possa ver sua responsabilidade de depositar seu voto naqueles que podem ajudar o país a caminhar melhor e que o faça sem ódios no coração mas, ao mesmo tempo, pensando no bem do país e na necessidade de vivermos cada vez mais tempos melhores.”

Sobre Carlos Augusto 9759 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).