Eleições 2018: Coletivo Maçons Progressistas do Brasil emite nota a favor dos candidatos comprometidos com ideais de justiça e igualdade social e repudia políticos que expressam intolerância racial e preconceito de gênero

Coletivo Maçons Progressistas do Brasil emite nota sobre eleições 2018 e reafirma compromisso com os ideais de ‘Liberdade, Igualdade, Fraternidade’.
Coletivo Maçons Progressistas do Brasil emite nota sobre eleições 2018 e reafirma compromisso com os ideais de ‘Liberdade, Igualdade, Fraternidade’.
Coletivo Maçons Progressistas do Brasil emite nota sobre eleições 2018 e reafirma compromisso com os ideais de ‘Liberdade, Igualdade, Fraternidade’.
Coletivo Maçons Progressistas do Brasil emite nota sobre eleições 2018 e reafirma compromisso com os ideais de ‘Liberdade, Igualdade, Fraternidade’.

Em nota, publicada em rede social na internet no dia 19 de setembro de 2018, o Coletivo Maçons Progressistas do Brasil emitiu comunicado em que declara apoio aos candidatos nas eleições de 2018 comprometidos com “ideais de justiça e igualdade social, com a valorização da escola pública, com a implementação de um sistema de saúde plural e universal, com um sistema de segurança pública voltado para o bem estar e material da população em geral e dos profissionais da área em particular, com o desenvolvimento das condições de emprego e renda, com a reforma agrária e agricultura familiar, com uma reforma tributária que torne mais justa a distribuição de renda, com a defesa dos direitos sociais e trabalhistas, com o direito à moradia, com a observância rigorosa dos Direitos da Pessoa Humana e da cidadania, com o meio-ambiente, e com uma política externa soberana, voltada sempre para os interesses da nação brasileira”.

O grupo de Maçons repudia políticos que “externam ou externaram, de forma acintosa e continuada, desprezo pela democracia, intolerância racial, preconceitos de gênero e quaisquer outros comportamentos que não sejam congruentes com o lema ‘Liberdade, Igualdade, Fraternidade’.

Coletivo Maçons Progressistas do Brasil emite nota sobre eleições 2018

A Maçonaria chegou ao Brasil no início do século XIX, tendo sempre papel de vanguarda em todas as questões nacionais importantes, como a Independência, Abolição e Proclamação da República. Na ditadura Vargas foi perseguida, tendo sido, neste período, por algum tempo, proibida a atividade de suas Lojas. O pensamento progressista sempre alimentou a fúria de tiranos. Membros infiltrados, com o único intuito de espionar, foram introduzidos nas lojas, fazendo com que o verdadeiro trabalho maçônico, que é a Construção Social, calcada nos princípios progressistas da Instituição, fosse adiado ou relegado a um segundo plano. Essa situação favoreceu com o tempo o ingresso e predomínio das forças mais conservadoras da sociedade na Ordem Maçônica, desbotando a sua principal característica, ou seja, o pensamento progressista voltado para uma sociedade mais justa, igualitária, democrática e verdadeiramente plural. Nestas primeiras décadas do século 21 observa-se um retorno a essas origens progressista e evolucionista da Ordem Maçônica, de forma a contribuir, decisivamente, para a construção de um Brasil mais justo e menos desigual.

O Coletivo MAÇONS PROGRESSISTAS DO BRASIL, grupo de Maçons brasileiros, regulares e reconhecidos, filiados ao Grande Oriente do Brasil (GOB), à Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil (CMSB) e à Confederação Maçônica do Brasil (COMAB), de todos os Estados da Federação, na defesa contínua de um Brasil Justo, Perfeito, Livre, Igualitário e Fraterno,

CONSIDERANDO que a Maçonaria é uma instituição essencialmente iniciática, filosófica, progressista e evolucionista e que, por estes motivos, defende, intransigentemente, a liberdade de consciência e, por conseguinte, estimula a busca incessante da verdade, rejeitando todos os dogmas e doutrinas que de alguma maneira limitem essa liberdade;

CONSIDERANDO que a Maçonaria entende que todos os seres humanos são livres e iguais em direitos e que os valores por nós defendidos condenam a exploração do homem, os privilégios e as regalias, e recomendam a divulgação da nossa doutrina pelo exemplo e pela palavra, combatendo, terminantemente, o recurso à força e à violência para a consecução de quaisquer objetivos;

CONSIDERANDO que a Maçonaria, por definição, é progressista, por entender que o avanço científico, tecnológico, econômico e social é vital para o aperfeiçoamento da condição humana;

CONSIDERANDO que o Coletivo Maçons Progressistas do Brasil possui posição político-filosófica oposta ao conservadorismo e, exatamente por isso, combate os preconceitos e alia-se à luta pela implementação real e efetiva de um Estado laico alicerçado nos direitos civis e individuais garantidos na nossa Carta Magna;

CONSIDERANDO que o Coletivo Maçons Progressistas do Brasil combate, por vocação, o obscurantismo e o autoritarismo, sendo absolutamente solidário a toda e qualquer iniciativa capaz de promover mudanças socioeconômicas em prol do aperfeiçoamento da sociedade e da luta pelo respeito aos Direitos Humanos, abrangendo neste rol movimentos libertadores como feminismo, secularismo, movimento LGBT, movimento negro e movimentos sociais, bem como todo e qualquer conjunto de ações que combata a opressão e o preconceito;

CONSIDERANDO que o país necessita, com urgência, do retorno da estabilidade política, a fim de alcançar a também necessária estabilidade econômica, e que a segregação, o extremismo e a intolerância são fatores que contribuem decisivamente para o fomento da instabilidade;

CONSIDERANDO ser imperiosa a necessidade de fortalecimento do Congresso Nacional por parlamentares progressistas, comprometidos com a causa popular e com a diminuição do enorme abismo social que divide a sociedade brasileira;

MANIFESTAMOS o nosso apoio a todos os candidatos, independentemente de cargo, partido ou coligação, comprometidos com os ideais de justiça e igualdade social, com a valorização da escola pública, com a implementação de um sistema de saúde plural e universal, com um sistema de segurança pública voltado para o bem estar e material da população em geral e dos profissionais da área em particular, com o desenvolvimento das condições de emprego e renda, com a reforma agrária e agricultura familiar, com uma reforma tributária que torne mais justa a distribuição de renda, com a defesa dos direitos sociais e trabalhistas, com o direito à moradia, com a observância rigorosa dos Direitos da Pessoa Humana e da cidadania, com o meio-ambiente, e com uma política externa soberana, voltada sempre para os interesses da nação brasileira.

MANIFESTAMOS, por fim, nosso veemente repúdio aos candidatos que externam ou externaram, de forma acintosa e continuada, desprezo pela democracia, intolerância racial, preconceitos de gênero e quaisquer outros comportamentos que não sejam congruentes com o lema LIBERDADE, IGUALDADE, FRATERNIDADE.

Coletivo Maçons Progressistas do Brasil, 19 de setembro de 2018.

Sobre Carlos Augusto 9717 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).