Eleições 2018: Senador Otto Alencar diz que nordestinos reconhecem trabalho de Fernando Haddad como ministro de Lula 

Cartaz de Fernando Haddad como candidato à presidência da República pelo PT, destaca apoio do ex-presidente Lula.
Cartaz de Fernando Haddad como candidato à presidência da República pelo PT, destaca apoio do ex-presidente Lula.
Cartaz de Fernando Haddad como candidato à presidência da República pelo PT, destaca apoio do ex-presidente Lula.
Cartaz de Fernando Haddad como candidato à presidência da República pelo PT, destaca apoio do ex-presidente Lula.

O senador Otto Alencar (PSD-BA) criticou na terça-feira (04/09/2018) os órgãos de imprensa do Sul do país, que estariam menosprezando o povo nordestino, ao dizer que o atual candidato a vice-presidente na chapa do PT, Fernando Haddad, é conhecido no Nordeste como “Andrade”. Segundo o parlamentar, a população do Nordeste conhece, sim, Haddad pelo seu trabalho como ministro da Educação do governo Lula.

O parlamentar lembrou que o a Bahia passou 200 anos com uma única universidade federal e Lula — cuja candidatura à Presidência foi impugnada, na semana passada, pelo Tribunal Superior Eleitoral — implantou cinco novos centros federais de ensino superior no estado.

Otto Alencar disse que o impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, foi determinado por um “poder invisível”, um complexo financeiro-empresarial, que é quem realmente manda no Brasil. Nesse sentido, referiu-se a um artigo do jornal francês Le Monde sobre o tema.

— Os donos do poder não apoiam partidos ou políticos específicos. Sua tática é apoiar quem lhe convém e destruir quem lhe estorva. Isso muda de acordo com a conjuntura. O exercício real do poder não tem partido e sua única ideologia é a supremacia do mercado e do lucro — disse o senador.

Sobre Carlos Augusto 9706 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).