Bahia tem 2º maior percentual de cidades onde nenhum ônibus municipal é adaptado a portadores de deficiência

Modelo de ônibus moderno conta com sistema de acessibilidade para portadores de necessidade especial.
Modelo de ônibus moderno conta com sistema de acessibilidade para portadores de necessidade especial.
Modelo de ônibus moderno conta com sistema de acessibilidade para portadores de necessidade especial.
Modelo de ônibus moderno conta com sistema de acessibilidade para portadores de necessidade especial.

Embora a legislação brasileira estabeleça que a frota de veículos de transporte coletivo estivesse totalmente acessível desde 2014, na Bahia, 65,8% dos municípios com ônibus municipais (79 de um total de 120) não tinham, em 2017, nenhum veículo adaptado para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Era o segundo maior percentual de “inacessibilidade” dentre os estados brasileiros, menor apenas que Roraima, onde 75,0% dos municípios com ônibus municipais não tinham nenhuma adaptação da frota em 2017.

No Brasil, 39,4% dos municípios onde havia ônibus municipais (662 de 1.679) não tinham nenhum veículo adaptado em 2017, percentual que chegava a seus mais baixos níveis em Tocantins (14,3%) e no estado de São Paulo (14,9%).

Na Bahia, apenas cinco municípios informaram ter, em 2017, toda a frota de ônibus municipais adaptada: Feira de Santana, Irecê, Itabuna, Jacobina e Maragogipe. Outros 36, inclusive a capital do estado, tinham parte da frota adaptada.

Dentre esses 41 municípios que possuíam pelo menos um ônibus com algum tipo de adaptação, a mais comum delas era a existência de plataforma elevatória veicular para acesso ao ônibus de piso alto, informada por 27 prefeituras, inclusive a de Salvador.

A recomendação da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) é que a plataforma elevatória seja utilizada apenas se não houver possibilidade de utilização das duas outras soluções de acessibilidade: piso baixo nos ônibus (informada por 10 municípios baianos) ou plataforma de embarque/desembarque para a acesso a ônibus com piso alto (informada por 11 municípios baianos).

A plataforma elevatória veicular também foi o tipo de adaptação mais comum no país como um todo, informada por 627 municípios brasileiros.

Vans são meio de transporte mais comuns nos municípios baianos

Na Bahia, as vans são o modal de transporte coletivo municipal mais comum: estavam em quase 9 de cada 10 municípios do estado, em 2017 (85,1% ou 355 cidades em números absolutos). A presença das vans na Bahia é a quarta maior do país, ficando muito acima da média nacional: no Brasil como um todo, pouco mais da metade (53,5%) dos 5.570 municípios dispunham de transporte por vans em 2017.

Em nível nacional, os táxis são o meio de transporte mais presente, operando em 73,8% dos municípios (4.110 cidades em números absolutos). Na Bahia, 73,6% dos municípios (305 no total) ofereciam serviço de táxi em 2017, segundo modal mais frequente no estado.

Tanto na Bahia quanto no Brasil, os mototáxis são o terceiro meio de transporte mais comum nos municípios, operando, respectivamente, em 71,5% das cidades baianas (298) e em 46,0% das cidades brasileiras (2.560). Os ônibus municipais (que rodam exclusivamente dentro do município) vêm apenas em quarto lugar, presentes em menos de 1 em cada 3 municípios, tanto em nível estadual (28,8% ou 120 cidades na Bahia) quanto nacional (30,1% ou 1.679 municípios).

Dentre os modais de transporte público, o metrô é o menos comum no Brasil, presente em apenas 20 municípios, sendo Salvador um deles.

Ciclovias estão presentes em apenas 34 municípios baianos (8,2% do total)

Dos 417 municípios baianos, apenas 34 informaram possuir ciclovias em 2017, o que representava 8,2% do total. Dentre os estados, os maiores percentuais de municípios com ciclovias foram encontrados no Rio de Janeiro (38 dos 92 municípios, ou 41,3%), Acre (9 dos 22 municípios ou 40,9%) e Santa Catarina (92 dos 295 municípios, ou 31,2%).

No país como um todo, 817 dos 5.570 municípios (14,3%) informaram ter ciclovias.

Na Bahia, sete cidades informaram ter ciclovia e bicicletário público em 2017: Alcobaça, Canavieiras, Dias dÁvila, Mata de São João, Prado, São Francisco do Conde e Salvador.

Em 2017, 9 em cada 10 municípios baianos sofreram as consequências de algum impacto ambiental

Em 2017, 9 em cada 10 municípios baianos (89,0% ou 371, em números absolutos) afirmaram ter sofrido as consequências de impactos ambientais. Foi o terceiro maior percentual de cidades atingidas por danos ambientais entre os estados brasileiros, abaixo apenas dos verificados no Espírito Santo, onde 93,6% dos municípios relataram esse tipo de problema, e no Ceará        (92,9%).

No país como um todo, 3.800 dos 5.570 municípios (68,2%) informaram ter sofrido impactos de danos ambientais em 2017.

Na Bahia, os impactos ambientais mais frequentes foram aqueles relacionados a condições climáticas extremas (secas, enxurradas), que atingiram 6 em cada 10 municípios no estado (61,2%) em 2017 – quinto maior percentual do país.

O segundo tipo de impacto ambiental mais frequente foi o desmatamento, informado por quase 4 em cada 10 municípios baianos (39,3% ou 164 em números absolutos). Foi o segundo maior percentual dentre os estados, abaixo apenas do Pará, onde 45,8% dos municípios informaram ter sofrido impactos relacionados ao desmatamento. A frequência desse tipo de problema ambiental entre os municípios baianos também ficou bem acima da média nacional: no Brasil como um todo, 18,3% dos 5.570 municípios informaram ter sofrido impactos do desmatamento no ano passado.

Nos municípios baianos, os impactos ambientais menos relatados foram aqueles ligados à poluição do ar (por 15 cidades) e à existência de moradia em situação de risco ambiental (por 14 municípios).

Entre 2013 e 2017, 369 dos 417 municípios da Bahia (88,5%) enfrentaram seca

Entre 2013 e 2017, 369 dos 417 municípios baianos (88,5% do total) informaram ter sofrido episódios de seca. Uma proporção bastante superior à média nacional (no mesmo período, 48,1% dos municípios brasileiros enfrentaram seca) e até mesmo acima da média do Nordeste (82,6%).

Foi, de longe, o desastre natural mais frequente na Bahia. Em seguida, bem próximos um do outro, vieram os alagamentos (relatados por 20,6% dos municípios), enxurradas ou inundações bruscas (em 18,9% das cidades) e os processos erosivos acelerados (em 18,7% dos municípios). O desastre natural menos informado pelos municípios do estado foi o escorregamento ou deslizamento de encosta, que ocorreu em menos de 1 em cada 10 cidades (41 ao todo, ou 9,8% do total).

Segundo os gestores municipais, as principais consequências da seca na Bahia foram a perda ou redução da produção agrícola (informada por 351 municípios), perdas financeiras (por 343 municípios) e perdas de animais (informadas por 320 municípios). As perdas humanas foram as menos informadas – por 98 cidades que enfrentaram seca entre 2013 e 2017.

Apesar da dimensão do problema no estado e dos prejuízos causados por ele, apenas 62 municípios baianos (14,9% do total) informaram ter, em 2017, plano de contingência e/ou prevenção contra a seca, que é o conjunto de ações planejadas e infraestrutura necessária para o enfrentamento de um possível período seca. Esse percentual ficou bem próximo da média nacional: no Brasil, 14,7% dos 5.570 municípios disseram ter, em 2017, plano de contingência e/ou prevenção contra a seca. No Nordeste, a proporção era de 15,7% das cidades.

Entre os municípios baianos, a ação mais frequente para evitar ou minimizar os danos causados pela seca foi a distribuição regular de água através de carros-pipa em épocas de estiagem/ situações de emergência, informada por 282 prefeituras. Em seguida vinham a construção de poços (relatada por 248 municípios) e a construção de cisternas (por 229 municípios).

6 em cada 10 municípios baianos (63,1%) têm loteamentos irregulares e/ou clandestinos

Dos 417 municípios baianos, 63,1% (ou 263 em números absolutos) informaram a existência de loteamentos irregulares e/ou clandestinos, percentual acima da média da região Nordeste (51,3%) e um pouco maior que o nacional (60,6%).

Dentre os tipos de moradia precários, os loteamentos irregulares foram os mais citados no estado (assim como no país e no Nordeste), vindo em seguida a existência de cortiços, casas de cômodos ou cabeças de porco (em 91 municípios ou 21,8% do total), praticamente empatados com as favelas, mocambos, palafitas ou assemelhados – presentes em 88 municípios do estado (21,1%). Em ambos os casos, os percentuais baianos também estavam acima das médias nacional (12,3% e 17,2%) e do Nordeste (14,5% e 20,8% respectivamente).

Por outro lado, pouco mais de 1 em cada 4 municípios baianos (27,1% ou 113 em números absolutos) disseram não apresentar nenhum dos tipos de moradia precárias investigados, menos que a média nacional (32,4%) e do Nordeste (37,6%).

Embora as ocupações irregulares e/ou clandestinas sejam, segundo os gestores municipais, o problema de habitação mais frequente no estado, apenas 77 municípios baianos (18,5%) tinham, em 2017, programas ou ações voltadas para regularização fundiária – percentual também um pouco abaixo da média nacional (21,7%), ainda que maior que o do Nordeste (12,6%).

Dentre as ações ou programas informados pelas 310 prefeituras baianas que realizaram algo na área de habitação em 2017, o mais frequente foi a construção de unidade habitacionais (233 municípios informaram, ou 55,9% do total). Em seguida vieram as melhorias em unidades habitacionais (113 municípios ou 27,1%) e a oferta de material de construção (98 municípios ou 23,5%).

9 em cada 10 municípios baianos (89,4%) realizam ações ou programas de incentivo à agricultura familiar

A importância da agricultura familiar para os municípios brasileiros e baianos se reflete no fato de que ações e programas de apoio a essa atividade são os que têm maior adesão por parte das prefeituras, quando se trata de fomento aos pequenos produtores.

No Brasil, 4.599 dos 5.570 municípios (82,6%) desenvolviam ações ou programas de apoio à agricultura familiar em 2017, enquanto na Bahia o percentual chegava a 89,4% ou 373 dos 417 municípios do estado – quinto maior percentual entre os estados.

Dentre as ações ou programas voltados mais especificamente para os pequenos produtores agropecuários, em segundo lugar, na Bahia, estavam aqueles destinados à produção de hortas comunitárias, informados por 218 municípios baianos (52,3%). Em seguida, vinham as ações com foco na agricultura orgânica, informadas por 200 prefeituras (48,0%).

Em ambos os casos, as frequências eram significativamente maiores entre os municípios baianos que na média nacional. Dentre os 5.570 municípios brasileiros, 36,5% (2.031) desenvolveram ações voltadas para a agricultura orgânica e 35,7% (1.990) para a produção de hortas comunitárias, em 2017.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109896 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]