Populistas formam governo na Itália; Giuseppe Conte foi novamente encarregado de formar governo, depois de aliança entre os partidos populistas

Em reviravolta, M5S e Liga apresentam pela segunda vez como premiê o jurista Giuseppe Conte, que havia fracassado na primeira tentativa e desta vez é bem-sucedido. Posse será nesta sexta-feira.
Em reviravolta, M5S e Liga apresentam pela segunda vez como premiê o jurista Giuseppe Conte, que havia fracassado na primeira tentativa e desta vez é bem-sucedido. Posse será nesta sexta-feira.

O jurista Giuseppe Conte, proposto pelo partido antissistema Movimento Cinco Estrelas (M5S) e a ultradireitista Liga, aceitou pela segunda vez formar um governo na Itália e apresentou imediatamente, nesta quinta-feira (31/05/2018), sua lista de ministros ao presidente Sergio Mattarella.

O novo governo deverá tomar posse nesta sexta-feira, marcando uma reviravolta inesperada e encerrando meses de indefinição no país, a terceira maior economia da zona do euro. Conte já havia sido encarregado por Mattarella, mas a primeira tentativa fracassou.

Desta vez, Mattarella convocou Conte ao Palácio do Quirinal depois que o M5S e a Liga anunciaram que haviam chegado, pela segunda vez, a um acordo para formar um Executivo após a primeira tentativa fracassar com o veto do presidente ao eurocético Paolo Savona, de 81 anos, para ocupar o Ministério da Economia.

Na lista que Conte entregou nesta quinta-feira a Mattarella, Savona estará à frente do Ministério de Assuntos para a União Europeia, enquanto o M5S e a Liga deixaram a pasta da Economia e Finanças a cargo do professor Giovanni Tria, de 69 anos, que é favorável à permanência da Itália na zona do euro, mas já criticou o desequilíbrio entre o norte e o sul dentro do bloco e defendeu mudanças na União Europeia e no seu sistema financeiro.

O líder da Liga, Matteo Salvini, será o ministro do Interior, e o chefe do M5S, Luigi Di Maio, assumirá o Ministério do Trabalho e Desenvolvimento Econômico. O Ministério do Exterior será ocupado pelo pró-europeu Enzo Moavero Milanesi.

A reviravolta encerra também a curta tentativa de formação de governo pelo economista Carlo Cottarelli, um ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) que fora encarregado da tarefa pelo presidente nesta segunda-feira.

Nesta quinta-feira, Cottarelli recuou, abrindo caminho para a aliança entre o M5S e a Liga. “Já não é necessário formar um governo de tecnocratas”, disse o antigo diretor do FMI depois de se ter encontrado com o presidente da República para renunciar formalmente à tarefa.

*Com informações do DW.

 

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109913 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]