Falecido há 42 anos, Áureo Oliveira Filho era um educador a frente do tempo | Por Adilson Simas

Artigo aborda trajetória de Áureo Oliveira Filho como educador.
Artigo aborda trajetória de Áureo Oliveira Filho como educador.
Artigo aborda trajetória de Áureo Oliveira Filho como educador.
Artigo aborda trajetória de Áureo Oliveira Filho como educador.

Este mês de junho lembra o passamento do educador Áureo de Oliveira Filho, ocorrido em 1976, há 42 anos. A dedicação do mestre à causa educacional, o Colégio Santanópolis por ele criado e os hábitos da juventude feirense nas décadas de 30 e 40, estão no artigo publicado em 2002 no livro de Gil Mário Menezes, por Matilde Matos, Crítica de Arte e que foi aluna do Colégio Santanópolis. Vale a pena ver de novo.

O Colégio Santanópolis e os hábitos da juventude feirense nas décadas de 30 e 40

A minha lembrança do Professor Áureo de Oliveira Filho é afetiva. Ela traz de volta memórias que amealhei dos 10 aos 15 anos, quando tudo era uma nova descoberta e a vida corria mansa. Como inúmeras pessoas que viviam no interior, minha irmã Ernestina e eu fomos favorecidas pelo seu Ginásio Santanópolis, onde tivemos o privilégio de estudar quando a ligação de Feria com Salvador se fazia por uma estrada de barro sinuosa e esburacada, num trajeto que consumia mais da metade do dia.

Vivíamos na Senhor dos Passos, longe do convívio da família, mas andávamos todas as manhãs para o Ginásio com a animação de quem ia a uma festa. Centro de tudo que desfrutávamos com o entusiasmo dos jovens – as aulas, os novos amigos, o esporte, o grêmio, as paradas, as tertúlias e as festas – o Santanópolis era para nós o melhor colégio do novo mundo que se revelava pela erudição dos mestres Gastão Guimarães e Honorato Bonfim, a objetividade e Ilhaneza de Renato Silva, o refinamento de Dival Pitombo, a doçura do Prof. Garcia, a informalidade espontânea do Prof. Brito, o discurso fluente e exato do Dr. Áureo e a eficiência e presença constante da Profª. Edelvira, sempre disposta a resolver qualquer problema.

Também atento a tudo que pudesse interessar os jovens o Prof. Joselito Amorim nos incentivava nos esportes, nos desfiles de Sete de Setembro, nas reuniões do grêmio e nas apresentações artísticas, mas era o discurso inflamado do Prof. Umberto Alencar, pregando nos comícios para o Brasil entrar em guerra que “mocidade sem rebeldia é velhice precoce”, que nos levava ao delírio.

Estudamos no Santanópolis de 37 a 41 quando dominavam os colégios de padre, para os meninos e de freira, para as meninas. O ginásio de Aurinho – como carinhosamente nós alunos o chamávamos na sua ausência – era misto, um avanço para a época que só trazia benefícios. Que graça teríamos encontrado nas disputas ferrenhas de basquete, sem os irmãos Villaça, Muritiba, Salomão e tantos outros craques a defender o nosso time, contra a perícia infalível de Barretão do Instituto Normal, rival maior e quase imbatível? A convivência saudável com os jovens rapazes, muito nos favoreceu na vida.

Foram tantas as presenças que deixaram marca nas nossas lembranças, mais que as outras a comunicação fácil e alegria de viver das meninas de D. Vivina, Marinete e Dedé, companheiras de todas as horas. Antonieta, Marinita, Lindaura, Jacira, Edelzuita, Tereza Góis e seus irmãos, Salomão, Papinho, Almeida, Bubu, Washington, Costa Neto, Beto e Juca, e tantas outras faces cujos nomes não lembro mais.

Lembro dos sapotizeiros que faziam sombra aos canteiros de gérberas e violetas e do cheiro do café que vinha do gabinete do secretário da prefeitura, Oscar Erudilho, ao lado da Biblioteca, vizinha do Santanópolis. No final das tardes, quando o cheiro do café se espalhava no ar, as aulas chegavam ao fim e saíamos em grupo, atraídos pelos livros, pelo cafezinho e a afabilidade do Seu Oscar, com quem aprendemos a apreciar do magistral mulato do Morro do Livramento Machado de Assis, aos estrangeiros Voltaire, Rilke, Dostoiewski, Tolstoy, Flaubert, Thomas Mann e tantos mais que Seu Oscar nos apresentou, despertando o nosso gosto pela literatura.

As segundas, dia da feira do gado e da maior feira livre do nosso estado, atento para a importância da cultura, Aurinho suspendia as aulas do último horário da manhã e a estudantada partia para o mercado. Claro que apreciávamos do artesanato às iguarias locais, com atenção especial à carne de sol, requeijão e rapadura. Mas havia também uma espécie de retreta bem no meio do mercado, como aqui na Rua Chile: os rapazes enfileirados ao longo de uma larga passagem obrigatória e as moças aos grupos. Era a chance que os adolescentes tinham de encontrar outros fora do Santanópolis. Bebida e dança, nem pensar, mas se flertava bastante.

Aqueles anos que antecederam a segunda guerra foram os últimos românticos de um mundo que nunca mais seria o mesmo. De Hollywood vinham os sonhos, o glamour e o romance que os grandes astros e estrelas encarnavam. Os sons eram os das grandes orquestras americanas que embalavam o mundo e no Brasil porfiavam com o samba exaltação, samba canção e o fox dolente na voz de Orlando Silva ou Silvio Caldas. Ainda era possível se encarar a vida de óculos cor de rosa. A partir dos anos 50 o ritmo do mundo acelerou-se, mudaram os usos e costumes e deram fim à tranquilidade.

O que despertava a admiração e respeito da adolescente de então pelo Dr. Áureo era a sua visão esclarecida, sua modernidade e o seu entusiasmo. Entendia que o ensino não se limita às salas de aula e dava a maior importância ao esporte, as artes e ao grêmio onde os alunos escreviam, falavam, recitavam, promoviam tertúlias com números de canto e dança, e montavam peças. Até hoje lembro frases retumbantes da Ceia dos Cardeais: “Se não desfiei o sol lá nas alturas, foi para não deixar Salamanca às escuras”.

Sempre afável, bem-humorado, elegante, vaidoso e apaixonado por tudo que fazia, se o Prof. Áureo de Oliveira Filho tivesse se radicado na capital, meio século depois, o nosso ensino com certeza estaria mais avançado, como avançada foi a semente que plantou em Feira de Santana.

*Adilson Simas é jornalista.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 114968 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.