Eleições 2018: Annette von Schönfeld diz que fragmentação no Brasil assusta e que Governo Temer é um produto “das elites para as elites”

Annette von Schönfeld: Os poderosos tradicionais no Brasil se irritaram bastante quando o PT conseguiu chegar ao poder, temeram grandes perdas e tinham a ilusão que, se eles próprios chegassem ao poder, conseguiriam estar muito melhor economicamente. Lula é politicamente muito hábil, e o Brasil viveu um período de crescimento econômico durante o seu governo, fazendo com que as elites não tivessem muito a reclamar.
Annette von Schönfeld: Os poderosos tradicionais no Brasil se irritaram bastante quando o PT conseguiu chegar ao poder, temeram grandes perdas e tinham a ilusão que, se eles próprios chegassem ao poder, conseguiriam estar muito melhor economicamente. Lula é politicamente muito hábil, e o Brasil viveu um período de crescimento econômico durante o seu governo, fazendo com que as elites não tivessem muito a reclamar.
Annette von Schönfeld: Os poderosos tradicionais no Brasil se irritaram bastante quando o PT conseguiu chegar ao poder, temeram grandes perdas e tinham a ilusão que, se eles próprios chegassem ao poder, conseguiriam estar muito melhor economicamente. Lula é politicamente muito hábil, e o Brasil viveu um período de crescimento econômico durante o seu governo, fazendo com que as elites não tivessem muito a reclamar.
Annette von Schönfeld: Os poderosos tradicionais no Brasil se irritaram bastante quando o PT conseguiu chegar ao poder, temeram grandes perdas e tinham a ilusão que, se eles próprios chegassem ao poder, conseguiriam estar muito melhor economicamente. Lula é politicamente muito hábil, e o Brasil viveu um período de crescimento econômico durante o seu governo, fazendo com que as elites não tivessem muito a reclamar.

A diretora do escritório da Fundação Heinrich Böll no Rio de Janeiro, Annette von Schönfeld, considera o Governo Temer um produto “das elites para as elites”, que leva a ONG vinculada ao Partido Verde alemão a repensar sua área de atuação dentro contexto político do país.

“Não existe muito interesse do atual governo em ouvir entidades de representação da sociedade civil. Isso faz com que tenhamos que redirecionar um pouco nosso foco”, afirma.

Durante palestra promovida nesta quinta-feira (14/06/2018), em Berlim pela Sociedade Brasil-Alemanha, ela falou sobre a fragmentação do atual panorama político brasileiro, a poucos meses das eleições presidenciais.

Em entrevista, a analista diz ser assustador o atual descrédito da classe política em um país marcado por uma série de escândalos de corrupção e explica por que considera a prisão de Lula e o impeachment de Dilma Rousseff frutos de condenações “meramente políticas”.

Deutsche Welle: Como tem visto essa polarização que existe atualmente no Brasil, nas vésperas da eleição presidencial?

Annette von Schönfeld: O Brasil mudou muito nos últimos 20 anos. Mas não acredito que a sociedade esteja tão rigidamente polarizada. O Brasil é um país em que as pessoas tentam entrar num diálogo. Há uma direita que está forte, que apoia o pré-candidato à presidência Jair Bolsonaro. Mas eu não posso dizer com convicção que Bolsonaro seja mesmo uma figura de liderança da direita.

Ele também é bastante criticado. Muitos o consideram politicamente interessante, mas não exatamente competente em todas as áreas. Ele mesmo diz, por exemplo, que não entende de economia e que tem que ser assessorado por bons conselheiros na área. Por isso, uma parcela do eleitorado não se diz convencida por ele. Ele é uma figura contraditória, e seu eleitorado é composto daqueles que querem uma melhoria econômica e isso tem menos a ver com uma opinião política.

Já a esquerda, que apoia o PT, está bastante apegada a sua campanha pela liberdade de Lula, o que parece ser algo sem perspectiva. Mas, assim, a direita e a esquerda não estão em luta direta. Eles são dois campos que não se combatem tão seriamente, mas que trilham seus próprios caminhos.

Algo que é assustador para alguém de fora a dimensão da fragmentação existente no Brasil e a perda de crédito do setor político de centro. Todo o campo político perdeu sua legitimidade de forma muito forte devido a todos esses casos de corrupção, e a população perdeu a confiança nos políticos enquanto classe que decide os rumos do país.

É possível comparar a radicalização do cenário político brasileiro com o que acontece na Europa, com os movimentos populistas de direita, como o partido alemão AfD, ou mesmo com os EUA de Donald Trump?

Bolsonaro tem muitos partidários jovens, ele tem mensagens curtas, usa bastante o Twitter, como Trump. Também é polêmico, ele aborda muitos problemas de forma não muito construtiva. Eu acho que ele dá poucas soluções, ele prefere ser contra dar novas sugestões. Ele tem o discurso de que o Brasil precisa crescer, e que essa crise tem que ser superada e que ele quer superá-la. Mas acho que ele tem pouco conteúdo que pudéssemos citar.

Por outro lado, não há xenofobia no Brasil, também não há, de fato, um problema relevante de refugiados ou uma crise de identidade como nação. Quer dizer, o Brasil não tem pretensões de ser grande novamente em relação a outros países. O país está em crise, mas não há um apelo para que esta crise seja superada através de nacionalismo. E esse é uma grande diferença daquilo que conheço entre a direita na Europa.

Há uma maciça crise econômica, há um grande medo de empobrecimento e também há uma grande perda de confiança na tradicional elite política, e as pessoas procuram alguém que possa restabelecer a ordem. E é essa brecha que ele tenta usar e consegue ter bastante sucesso em seu discurso.

Você diz que parceiros da Fundação Heinrich Böll no Brasil têm sido enfraquecidos devido ao pouco interesse do governo Temer em grupos de representação da sociedade civil.  Como sua entidade está se direcionando nesse atual panorama político?

Temos que nos adaptar atualmente. Há problemas que se acirraram, como nos campos dos direitos humanos e da segurança. Ativistas políticos são perseguidos de outras formas, não necessariamente diretamente pelo governo, mas de outra forma.

Por exemplo, na Amazônia, as disputas por terra aumentaram. E ativistas do meio ambiente realmente vivem sob ameaça crescente. Apoiamos, por exemplo, grupos de advogados que auxiliam judicialmente essas pessoas. Também apoiamos grupos da sociedade civil que tentam fazer trabalho de lobby em temas do meio ambiente, direitos humanos, direitos da mulher, por exemplo.

Nós contatamos que, sob o governo Temer, esse trabalho de lobby perdeu muito em relevância da perspectiva da sociedade civil em relação ao que era possível durante o governo do PT, no que diz respeito ao diálogo com representantes políticos.

Agora, temos que escolher ouras estratégias por causa das eleições, que fazem com que tenhamos que aguardar para ver quem vai ser eleito e para ver que novos tipos de movimentos poderemos apoiar.

Da perspectiva alemã, que candidato oferece uma melhor perspectiva de intercâmbio com a Alemanha e com o exterior?

Acho que possivelmente todos teriam um bom diálogo com o exterior. Também é quase certo que o PT não chegará ao segundo turno com um candidato próprio, porque Lula, muito provavelmente, não poderá se candidatar. Mas toda a coalizão que estiver mais no lado da esquerda e centro-esquerda tem, com certeza, outro entendimento de participação da sociedade civil. Porque esses partidos acreditam que políticos precisam de aconselhamento e que aconselhamento a partir de representantes da sociedade civil é algo enriquecedor.

Por que você acredita que o impeachment contra Dilma Rousseff e a prisão de Lula são processos meramente políticos?

Na minha opinião, as acusações feitas a Dilma não são muito distantes das práticas políticas de muitas instituições políticas. A manobra orçamentária de que ela foi acusada é algo que foi criminalizado no caso dela, mas que não foi criminalizado quando praticado por muitos outros políticos. E isso foi criminalizado por motivos políticos, porque uma elite de direita e conservadora achou que conseguiria, com essas acusações, obter uma maioria para aprovar um processo de golpe parlamentar, o que realmente aconteceu. Havia uma crise econômica que foi mal gerenciada por Dilma Rousseff, uma crise que dura até hoje. Acho que as elites acharam que conseguiriam rapidamente reverter tudo o que havia sido feito, conseguindo sair da crise rapidamente, não necessariamente para proveito da população, mas sim da parte economicamente mais privilegiada – e acho que isso não funcionou. Mas, para mim, constitui golpe tirar alguém do poder por motivos meramente políticos. Alguém que, na verdade, não fez nada demais.

No processo contra Lula, há uma dinâmica política bastante parecida. Ele foi condenado por causa de um apartamento que seria seu, mas essa condenação é apoiada em indícios bastante frágeis, que não teriam sido suficientes no caso de haver outra constelação política. É possível discordar sobre se ele sabia ou não dos casos de corrupção, embora pareça improvável que ele não soubesse de algumas coisas, mas ele não foi condenado por isso. As provas para sua condenação são bastante inconsistentes. Ele também está na liderança isolada das pesquisas de intenção de voto, e tudo isso leva a crer que este seja um caso de condenação política.

No começo de sua palestra em Berlim, você falou que o governo Temer é um governo da elite para a elite. Por quê?

Os poderosos tradicionais no Brasil se irritaram bastante quando o PT conseguiu chegar ao poder, temeram grandes perdas e tinham a ilusão que, se eles próprios chegassem ao poder, conseguiriam estar muito melhor economicamente. Lula é politicamente muito hábil, e o Brasil viveu um período de crescimento econômico durante o seu governo, fazendo com que as elites não tivessem muito a reclamar.

Então veio a crise, e no começo se tentou, no âmbito desta crise, tirar o PT do poder. Porque, apesar do crescimento econômico, o PT continuava sendo uma pedra no sapato da elite. Então, ela esperou o momento certo, a brecha certa para conseguir tirar o PT do poder. E os pacotes de reformas que foram implementados depois foram fortemente centrados em se desfazer muitas conquistas dos trabalhadores, ou em retroceder programas como os de acesso à educação ou à saúde das pessoas para os menos favorecidos.

Muitos programas foram, se não totalmente cancelados, pelo menos bastante reduzidos.  Quando, por exemplo, órgãos como a Funai, responsável por reservas indígenas, são reduzidos, são abertas portas para uma outro tipo de política. E, outro exemplo, a reforma trabalhista não é só uma reforma, mas um retrocesso de 30 anos para o país, no que diz respeito às conquistas sociais para os trabalhadores. E essa radicalidade com que se tenta retroceder politicamente me leva a dizer que o governo é feito de elites para as elites, porque eles querem ter o país de volta ao que era antes.

*Com informações do Deutsche Welle.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109975 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]