Sindicombustíveis Bahia diz que greve dos caminhoneiros traz consequências gravíssimas ao país; 2.800 postos estão com estoque praticamente zerado de etanol e gasolina

Caminhoneiros mantém paralisação pelo sexto dia consecutivo. Sindicombustíveis Bahia diz que greve dos caminhoneiros traz consequências gravíssimas ao país.
Paralisação dos caminhoneiros na Rodovia Presidente Dutra, no Rio de Janeiro.
Caminhoneiros mantém paralisação pelo sexto dia consecutivo. Sindicombustíveis Bahia diz que greve dos caminhoneiros traz consequências gravíssimas ao país.
Paralisação dos caminhoneiros na Rodovia Presidente Dutra, no Rio de Janeiro.

Em comunicado emitido nesta sexta-feira (25/05/2018), o Sindicombustíveis Bahia diz que a greve dos caminhoneiros traz consequências gravíssimas e sem precedentes ao país, informa que 2.800 postos da Bahia estão com estoque praticamente zerado de etanol e gasolina, e que resta pouco diesel nos tanques de armazenamento.

A entidade avalia que a crise gera prejuízo incalculável e apela para acordo entre o Governo Temer e entidades representativas dos caminhoneiros.

No comunicado,  o Sindicombustíveis Bahia propõe mudanças no sistema tributário do setor.

Confira ‘Comunicado do Sindicombustíveis Bahia’

O Sindicato do Comércio de Combustíveis e Energias Alternativas e Lojas de Conveniência do Estado da Bahia (Sindicombustíveis Bahia) vem a público externar sua imensa preocupação com a greve dos caminhoneiros e o impasse nas negociações. A paralisação entrou no quinto dia com consequências gravíssimas e sem precedentes no país para todas as categorias econômicas e para a população.

Os 2.800 postos da Bahia, no final da tarde desta sexta-feira (25/05/2018), já estão com estoque praticamente zerado de etanol e gasolina e poucos ainda com diesel. Há estabelecimentos fechados por falta de produtos desde o dia 23 de maio, gerando um prejuízo incalculável.

O movimento dos caminhoneiros trouxe a discussão a alta carga tributária dos combustíveis, o que impõe uma solução também para a gasolina, sob pena de outras categorias se mobilizarem trazendo consequências para o abastecimento dos veículos movidos a gasolina e etanol.

O Sindicombustíveis Bahia defende a implementação monofásica do ICMS, estabelecendo valor único em dinheiro, chamado ad rem, para cada produto (gasolina, diesel, etanol) em todo o território nacional. Também, junto com Fecombustíveis, pleiteamos zerar a Cide e o PIS/Cofins para o diesel. Para a gasolina, a proposta é zerar a cobrança da Cide e retornar o PIS/Cofins aos mesmos valores cobrados antes do aumento de julho de 2017, pelo Governo Federal.

O Governo Federal e o movimento dos caminhoneiros precisam urgentemente chegar a um acordo para que as consequências não sejam mais drásticas ainda, envolvendo a segurança e a saúde da população.

Sobre Carlos Augusto 9707 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).