Prefeito ACM Neto determinou derrubada de 650 árvores para implantar sistema ultrapassado de transporte público em Salvador, diz jornalista Moacy Neves

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Perspectiva ilustrada do BRT de Salvador
Perspectiva ilustrada do BRT de Salvador.
Perspectiva ilustrada do BRT de Salvador
Perspectiva ilustrada do BRT de Salvador.

O jornalista Moacy Neves encaminhou, neste sábado (05/05/2018), nota e vídeo ao Jornal Grande Bahia (JGB), com crítica à implantação do BRT de Salvador, por “derrubar 650 árvores e gastar R$ 820 milhões em um sistema de transporte considerado ultrapassado”.

O BRT é um tipo de transporte público baseado em ônibus articulado. Urbanistas evitam essa opção por representar uma solução inferior a implantação do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), que é uma espécie de bonde moderno e foi implantado em várias cidades europeias.

O VLT foi modelo escolhido pelo Governo Rui Costa para integrar partes da cidade de Salvador ao Sistema Metroviário Salvador – Lauro de Freitas.

O BRT de Salvador

Iniciativa da gestão do prefeito ACM Neto (DEM), o BRT faz parte do projeto de Corredores de Transporte Coletivo Integrado de Salvador, tem custo estimado de R$ 820 milhões e conta com dois sistema viários exclusivos para o tráfego de ônibus articulados. A primeira etapa da licitação para implantação do BRT foi lançada em 9 de março de 2017.

Os veículos utilizados pelo sistema BRT serão do tipo ônibus articulados com capacidade para 170 passageiros, portas largas e comprimento máximo de 23 metros, operando a uma velocidade comercial de 25 a 40 km/h. Os tempos de percurso serão significativamente reduzidos se comparados aos atuais níveis de operação.

O projeto prevê alcançar o atendimento de cerca de 31.000 passageiros por hora (em momentos de pico), num horizonte até o ano de 2044, beneficiando não só a população lindeira ao corredor, mas também aquela cujos destinos são as principais áreas da Pituba, Iguatemi, Avenida Tancredo Neves, Vale das Pedrinhas, Rio Vermelho, Ondina e vários outros bairros da cidade.

Serão construídos corredor exclusivo para os veículos do sistema BRT; melhorias no sistema viário, com implantação de faixas de fluxo contínuo nas Avenidas Juracy Magalhães e ACM; estações do sistema BRT; e complexos de viadutos nos principais locais de cruzamento viário ao longo do corredor. Além disso, serão realizadas obras de macrodrenagem; urbanização e paisagismo ao longo do corredor de transporte; e implantação de ciclovias.

Sistemas viário exclusivos

O Sistema Viário 1 tem custo estimado de R$ 408 milhões e está sendo implantado na Avenida Vasco da Gama, Rua do Lucaia, Avenida Juracy Magalhães e Avenida ACM, se estendendo desde a entrada da Estação da Lapa até a Estação de Integração Iguatemi (metrô/BRT), na região próxima ao atual Shopping da Bahia. As intervenções preveem o aproveitamento das vias de ônibus convencionais já existentes ao longo da Avenida Vasco da Gama, adaptando-as para uso do sistema BRT. Nos demais trechos serão implantados novas vias exclusivas para o sistema.

O Sistema Viário 2 tem custo estimado de R$ 412 milhões , sendo R$300 milhões do Orçamento Geral da União (OGU) a serem repassados pelo Ministério das Cidades, e R$112 milhões do Programa de Financiamento das Contrapartidas do Programa de Aceleração do Crescimento (CPAC). Além disso, o sistema BRT foi concebido prevendo futuras expansões, já estando em desenvolvimento o projeto correspondente a uma nova etapa que vai do Parque da Cidade até o Posto Namorado, na Pituba. A gestão do projeto está a cargo da Secretaria Municipal de Mobilidade (SEMOB Salvador). Parte das obras será conduzida pela Secretaria Municipal de Infraestrutura e Defesa Civil (SINDEC).

Confira vídeo

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 10036 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).