Panama Papers leva a queda do primeiro-ministro da Islândia

Sigmundur Davíð Gunnlaugsson foi o primeiro-ministro da Islândia entre maio de 2013 e abril de 2018, quando renunciou ao cargo após ter o nome envolvido no escândalo Panama Papers.
Sigmundur Davíð Gunnlaugsson foi o primeiro-ministro da Islândia entre maio de 2013 e abril de 2018, quando renunciou ao cargo após ter o nome envolvido no escândalo Panama Papers.
Sigmundur Davíð Gunnlaugsson foi o primeiro-ministro da Islândia entre maio de 2013 e abril de 2018, quando renunciou ao cargo após ter o nome envolvido no escândalo Panama Papers.
Sigmundur Davíð Gunnlaugsson foi o primeiro-ministro da Islândia entre maio de 2013 e abril de 2018, quando renunciou ao cargo após ter o nome envolvido no escândalo Panama Papers.

Com em pano de fundo a demissão do primeiro-ministro da Islândia, Sigmundur David Gunnlaugsson, as revelações sobre o novo escândalo da finança internacional, denominado Panama Papers”, esboçam gradualmente os contornos da fraude fiscal no mundo, no qual estão também envolvidos figuras da política francesa, ligadas nomeadamente à extrema-direita.

As repercussões desencadeadas pelos ecos do escândalo “Panama Papers” levaram o primeiro-ministro da Islândia, Sigmundur David Gunnlaugsson, a demitir-se das suas funções. Pressionado pelas manifestações populares,o chefe do governo islandês comunicou após uma reunião do seu grupo parlamentar por intermédio do vice -presidente do seu partido e ministro da agricultura , que vai renunciar ao seu cargo.

Gunnlaugsson é o primeiro político a ser atingido pelas revelações do “Panama Papers” que atribui também à Fréderic Chatillon e à Nicolas Crochet, dois indivíduos ligados à Marine Le Pen, líder da Frente Nacional francesa, a responsabilidade pela criação de empresas de fachadas em paraísos fiscais em concluio com a firma Mossack Fonseca do Panama.

Além do britânico HSBC e dos suiços UBS e Crédit Suisse, a Société Générale de França, é tido como o banco que mais recorreu à Mossack Fonseca para a criação de empresas offshore, à favor de clientes que desejavam ocultar somas importantes às autoridades fiscais dos seus países.

Em declarações à RFI,a  antiga Ministra portuguesa  da Economia, agora eurodeputada e coordenadora dos Socialistas europeus para os assuntos económicos, considerou  que  é necessário definir o que são  paraísos fiscais, bem como  aplicar  as  penalisações adequadas e não ignorar os artifícios da fraude fiscal.

*Com informações da RFI.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 114880 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.