Atual regime político da Ucrânia está pronto para travar guerra com Rússia, diz cientista político Vladimir Kireev

Lviv é uma cidade do oeste da Ucrânia. Localiza-se no oeste do país, perto da fronteira com a Polónia. Tem cerca de 800 mil habitantes. Foi fundada em 1256 pelo duque da Ruténia.
Lviv é uma cidade do oeste da Ucrânia. Localiza-se no oeste do país, perto da fronteira com a Polónia. Tem cerca de 800 mil habitantes. Foi fundada em 1256 pelo duque da Ruténia.
Lviv é uma cidade do oeste da Ucrânia. Localiza-se no oeste do país, perto da fronteira com a Polónia. Tem cerca de 800 mil habitantes. Foi fundada em 1256 pelo duque da Ruténia.
Lviv é uma cidade do oeste da Ucrânia. Localiza-se no oeste do país, perto da fronteira com a Polónia. Tem cerca de 800 mil habitantes. Foi fundada em 1256 pelo duque da Ruténia.

O atual regime político da Ucrânia quer começar uma guerra com a Rússia, opina o cientista político russo, Vladimir Kireev. Ele comentou a notícia da prisão do chefe do portal RIA Novosti Ucrânia, Kirill Vyshinsky, quem as autoridades ucranianas acusaram de alta traição e de apoiar as repúblicas autoproclamadas de Donbass.

“Mesmo que Kiev seja incapaz de desencadear uma guerra de pleno direito, provocará um conflito que, durante muito tempo, culminará em um estado inerte”, disse o cientista.

Kireev acredita que esta detenção reflete os ânimos dos políticos ucranianos, que continuam a política comum aplicada pelos EUA, acrescentando que não é segredo que a Ucrânia é um satélite de Washington, cujo objetivo é criar uma zona de conflito em torno da Rússia.

“A Ucrânia é uma das plataformas dos EUA para travar essas guerras: de informação, sabotagem e uma guerra econômica contra nosso país”, disse o interlocutor.

Segundo Kireev, esses planos norte-americanos coincidem com as abordagens prevalecidas na Ucrânia, um país com um regime russófobo, que é pura fachada quando se trata de tentar estabelecer democracia e liberalismo e cujas ações não correspondem aos requisitos exigidos por países liberais.

“Se este regime for preservado na Ucrânia, e por enquanto não existem pressupostos para conseguir esta mudança, veremos mais prisões e provocações, bem como observar um aumento do conflito em Donbass. Acho que vamos deixar de ouvir essas notícias quando o sistema político na Ucrânia mudar”, resumiu o cientista político.

A União Russa de Jornalistas exigiu que as autoridades ucranianas libertassem imediatamente Vyshinsky e parassem de pressionar a mídia.A editora-chefe da Rossiya Segodnya e do canal RT, Margarita Simonyan, considera que o incidente ocorrido é uma vingança de Kiev pela construção da Ponte da Crimeia. Simonyan observou que o portal RIA Novosti Ucrânia não está legalmente ligado à agência Rossiya Segodnya, embora seja um de seus parceiros.

Além de prender Vyshinsky perto de sua própria casa na terça-feira (15), agentes do Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU, na sigla em ucraniano) revistaram as casas da correspondente da RIA Novosti na Ucrânia, Lyudmila Lysenko. Agentes ucranianos também prenderam em 23 de abril a chefe do movimento Volontery Pobedy (Voluntários da Vitória), Elena Edinovol, que também foi acusada de traição.

As relações entre a Ucrânia e a Rússia se romperam quando a Crimeia se tornou parte da Rússia em março de 2014 depois de referendo em que 96,77% da população votou a favor da reunificação. Após esta reunificação, a Rússia começou a construir a Ponte da Crimeia para ligar a península ao território continental russo.A inauguração do tráfego da Ponte da Crimeia, que liga a República da Crimeia à região de Krasnodar, ocorreu em 15 de maio. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, compareceu à solene cerimônia e inclusive dirigiu um caminhão pela ponte.

As províncias de Donetsk e Lugansk proclamaram-se repúblicas populares em resposta à violenta mudança de governo que ocorreu em Kiev em fevereiro de 2014.

*Com informações da Sputnik Brasil.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109903 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]