O tiro no pé de Geraldo Alckmin | Por Tereza Cruvinel

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Em 6 de abril de 2018, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, entregou quatro estações da Linha 15 Prata do Monotrilho. Investigações do Caso Lava Jato indicam possível corrupção na gestão do sistema metroviário de São Paulo.
Em 6 de abril de 2018, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, entregou quatro estações da Linha 15 Prata do Monotrilho. Investigações do Caso Lava Jato indicam possível corrupção na gestão do sistema metroviário de São Paulo.
Em 6 de abril de 2018, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, entregou quatro estações da Linha 15 Prata do Monotrilho. Investigações do Caso Lava Jato indicam possível corrupção na gestão do sistema metroviário de São Paulo.
Em 6 de abril de 2018, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, entregou quatro estações da Linha 15 Prata do Monotrilho. Investigações do Caso Lava Jato indicam possível corrupção na gestão do sistema metroviário de São Paulo.

No segundo turno da eleição presidencial de 2006, o candidato tucano Geraldo Alckmin encolheu 2,4 milhões de votos em relação aos 40 milhões que havia obtido na primeiro. Seu adversário, o ex-presidente Lula, foi reeleito com 60,1% dos votos, o maior sufrágio da história até hoje. Houve na época um consenso analítico: o tucano encolheu porque frustrou sua base, abandonando a agenda liberal, renegando privatizações e medidas fiscais severas. Agora, novamente ele pode ter dado um tiro no pé ao tripudiar sobre o infortúnio de Aécio Neves, exortando-o a não disputar cargo algum para não prejudicar sua campanha, depois de ter virado réu no STF. O troco pode ser uma barreira contra a entrada de Alckmin em Minas, o que seria fatal para quem já é refugado pelo Nordeste.

A muito custo, Alckmin havia conseguido a proeza de convencer o senador Antônio Anastasia a disputar o governo para lhe garantir um palanque em Minas. Anastasia pode até recuar mas ainda que se mantenha no páreo, ele é uma invenção de Aécio, de quem é leal escudeiro. Aécio pode ter perdido sua força eleitoral mas não perdeu o comando da maquina partidária. Ele já não havia perdoado os tucanos de São Paulo por aquela desfeita na convenção do partido em dezembro, quando foi recebido aos gritos de “fora Aécio”, não foi chamado para a mesa e, na falta de clima, ficou apenas 40 minutos na festa. Estava licenciado da presidência do partido desde maio, quando estourou o caso JBS.

Alckmin não esperou nem baixar a poeira levantada pela decisão do Supremo para ditar outra condenação ao mineiro. Depois de proclamar que “a lei é para todos” emendou: “Aécio sabe o que penso. E claro que o ideal é que não seja candidato, é evidente”. A mágoa dos tucanos mineiros é grande. Não vão passar recibo mas, se conheço Minas, vai ter troco. Em 2006, Aécio era um governador altamente popular, reelegeu-se no primeiro turno. Houve em Minas a pregação da chapa Lulécio, Lula e Aécio, e para desmentir suspeitas de traição, ele arregaçou as mangas e garantiu ao paulista uma votação maior que a esperada, de 40,6% dos votos no estado. Não impediu, porém, que no segundo turno ocorresse ali também a sangria de votos que foi geral, em quase todos os estados. A votação de Alckmin despencou para 34,8%.

Rejeitado no Nordeste, enfrentando a concorrência de Bolsonaro em São Paulo e a de Álvaro Dias no Sul, Alckmin precisa muito de Minas. Mas pode ter fechado a porteira.

É muita ignorância

A polarização faz do Brasil um país ridículo. Agora esta do deputado Major Olímpio, aliado de Bolsonaro, pedindo à Procuradoria-Geral da República a abertura de inquérito contra a senadora Gleisi Hoffmann por conta de entrevista à TV Al Jazeera. No vídeo ela diz coisas que os petistas repetem aqui e alhures todos os dias: que Lula é preso político, que foi perseguido e preso injustamente. Pediu a solidariedade dos povos árabes. O PT está investindo forte na campanha internacional pela liberdade de Lula. O major acha que foi apologia do terrorismo. Antes, a senadora Ana Amélia acusou a presidente do PT de incitar “atos de violência contra o Brasil”. Al Jazeera é uma emissora internacional, captada em todo o mundo ocidental, não uma célula da Al Qaeda. Ignorância e xenofobia demais.

Ninguém tira

O coronel Lima era mesmo coletor de recursos para as campanhas do presidente Michel Temer, disse em depoimento o empresário Gonçalo Torrealba, do grupo portuário Libra. O coronel e o velho amigo José Yunes já foram denunciados à Justiça. A situação de Temer vai se complicando no inquérito sobre o decreto dos portos mas a procuradora-geral Raquel Dodge, segundo auxiliares, não está propensa a apresentar a terceira denúncia contra ele. O inquérito ainda vai longe e há outros na fila. O drama de Temer virá em 2019, quando já não tiver foro especial. A não ser que vire ministro de quem ganhar a eleição.

*Maria Tereza Cruvinel é jornalista.

*Publicado no Jornal do Brasil, em 20 de abril de 2018.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123143 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.