Eleições 2018: Com base parlamentar, partidária e social fragilizada, prefeito ACM Neto desiste de ser candidato a governador da Bahia; aliados são abandonados à própria sorte

ACM Neto, fragilidade na liderança política, partidária e social o fizeram desistir de ser candidato a governador em 2018. Aliados são abandonados à própria sorte.
ACM Neto, fragilidade na liderança política, partidária e social o fizeram desistir de ser candidato a governador em 2018. Aliados são abandonados à própria sorte.

O presidente do Democratas na Bahia, deputado federal José Carlos Aleluia, confirmou nesta sexta-feira (06/04/2018), através de declarações à imprensa, de que o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), não deixará o governo municipal para ser candidato ao governo da Bahia, no pleito eleitoral de 2018.

Justificativas a parte, o quadro político da oposição é bastante frágil. Observando que aliança formada entre o Democratas, de ACM Neto; PSDB, de Antonio Imbassahy e PMDB, de Geddel Vieira Lima com a finalidade de apoiar a usurpação democrática do mandato popular da presidente Dilma Rousseff (PT/RS), resultou do degenerado governo do presidente Michel Temer (PMDB/SP) e na perda continuada de investimentos da União para o Estado da Bahia, além da perda de direitos sociais da população menos favorecida.

Aliado a este quadro, a frágil base parlamentar, partidária e social liderada pelo prefeito ACM Neto é incapaz de produzir um movimento político capaz de desestruturar a excelente avaliação que o governador Rui Costa obtém junto às principais lideranças políticas do estado e junto à população.

Outro aspecto que favorece a reeleição de Rui Costa (PT) e enfraquece a oposição é a sólida união político-partidária em torno da liderança do governador. Além da manutenção e ampliação da base popular que dá sustenção aos movimentos de esquerda na Bahia.

Sem ACM Neto ou com ACM Neto, a oposição terá a difícil tarefa de construir um palanque que permita, pelo menos, a manutenção da atual base parlamentar. Neste contexto, eles foram abandonados à própria sorte pelo “líder” demista.

Sobre Carlos Augusto 9717 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).