EUA suspendem tarifas de aço e alumínio para Brasil e União Europeia

EUA prometem impor taxa de 25% para aço e 10% para alumínio. Presidente diz que medida será assinada na próxima semana com objetivo de proteger indústria americana. Grandes produtores, como Canadá e UE, rechaçam decisão. Segundo Donald Trump, "indústrias americanas de aço e alumínio foram dizimadas por décadas de acordos ruins"
EUA prometem impor taxa de 25% para aço e 10% para alumínio. Presidente diz que medida será assinada na próxima semana com objetivo de proteger indústria americana. Grandes produtores, como Canadá e UE, rechaçam decisão. Segundo Donald Trump, "indústrias americanas de aço e alumínio foram dizimadas por décadas de acordos ruins"

Representante do governo americano confirma que o presidente Donald Trump concordou com “pausa” para economias com quem trava negociações em busca de uma solução de longo prazo. Sobretaxas entram em vigor nesta sexta-feira.

O governo dos Estados Unidos afirmou nesta quinta-feira (22/03/2018) que a União Europeia (UE) e outras seis economias, incluindo o Brasil, serão poupadas por enquanto das tarifas à importação de aço e alumínio anunciadas pelo presidente Donald Trump. Os outros países beneficiados pela medida são Canadá, México, Argentina, Austrália e Coreia do Sul.

No início de março, Trump anunciou tarifas de 25% nas importações de aço e 10% nas de alumínio, materiais que são essenciais para os setores de construção e manufatura. O presidente argumentou que as taxas protegem os produtores americanos e devem fomentar a criação de postos de trabalho. O representante de Comércio Exterior dos Estados Unidos, Robert Lightizer, disse a um comitê do Senado nesta quinta que Trump autorizou uma “pausa” na imposição das tarifas, que entram em vigor nesta sexta-feira, enquanto conversas em busca de uma solução para o longo prazo estiverem em curso.

Washington já havia deixado México e Canadá de fora das sobretaxas por serem parceiros dos EUA no Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), que está sendo renegociado. E nesta semana, autoridades americanas e da UE afirmaram em comunicado conjunto estar buscando uma solução para evitar as tarifas para o bloco.

A União Europeia e outros países ameaçaram retaliar os Estados Unidos caso as tarifas fossem aplicadas, impondo taxas sobre uma série de mercadorias americanas.

A comissária europeia de comércio, Cecilia Malmstrom, e o ministro da Economia alemão, Peter Altmaier, visitaram Washington nesta semana em busca de uma isenção. Altmaier disse ao Parlamento alemão nesta quinta-feira: “É uma questão de importância fundamental defendermos mercados globais abertos e justos.”

O governo Trump ressaltou que o principal alvo das sobretaxas é a China, que por muito tempo teve uma superprodução que impactou o mercado global de aço e alumínio – o que representaria uma ameaça à economia americana.

Brasil

O presidente Michel Temer havia adiantado nesta quarta-feira que os Estados Unidos suspenderam as sobretaxas ao Brasil enquanto os dois países estiverem negociando uma possível isenção.

“O Brasil é um dos países com quem [os EUA] começarão as negociações visando a eventual exceção às tarifas sobre importação de aço e alumínio. As novas tarifas, diz mensagem da Casa Branca, não se aplicarão enquanto estivermos conversando sobre o tema. Uma boa notícia”, disse Temer.

Ao todo, 32% do aço exportado pela indústria brasileira têm como destino os Estados Unidos. Com isso, o país figura como o segundo maior exportador para o mercado americano, com 4,7 milhões de toneladas embarcadas em 2017. Só perde para o Canadá, que exportou 5,8 milhões de toneladas ano passado.

O Brasil pede a isenção da alíquota alegando que o aço exportado é semiacabado e posteriormente transformado em siderúrgicas dos EUA.

*Com informações da Deutsche Welle.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109707 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]