Abuso de poder econômico é denunciado pelo governador Rui Costa; Rede Bahia favorece interesses do prefeito ACM Neto, que é filho do presidente da retransmissora da Globo

Governador Rui Costa diz que prefeito ACM Neto, o presidente da Rede Bahia, ACM Junior e a própria Rede de Comunicação serão interpeladas no TRE Bahia por abuso de poder econômico, com finalidade político-eleitoral.
Governador Rui Costa diz que prefeito ACM Neto, o presidente da Rede Bahia, ACM Junior e a própria Rede de Comunicação serão interpeladas no TRE Bahia por abuso de poder econômico, com finalidade político-eleitoral.
Governador Rui Costa diz que prefeito ACM Neto, o presidente da Rede Bahia, ACM Junior e a própria Rede de Comunicação serão interpeladas no TRE Bahia por abuso de poder econômico, com finalidade político-eleitoral.
Governador Rui Costa diz que prefeito ACM Neto, o presidente da Rede Bahia, ACM Junior e a própria Rede de Comunicação serão interpeladas no TRE Bahia por abuso de poder econômico, com finalidade político-eleitoral.

Um dos piores sistemas de televisão foi implantado no Brasil. Sobre controle da Rede Globo ocorre grave homogeneização cultural e concentração da audiência no país, processo que tem vínculo com a Ditadura Civil/Militar de 1964 e, que na Bahia, conta com o controle da Rede Bahia, grupo de comunicação presidido por ACM Junior, pai de ACM Neto (DEM), prefeito de Salvador e filho de Antonio Carlos Magalhães (ACM, 1927 —2007), deputado do Golpe Militar de 1964, que erigiu verdadeira fortuna pessoal no periódico em que acumulava cargos públicos.

Representante de um partido que tem vínculos como trabalhismo, PT, o governador Rui Costa não poupou críticas ao uso do poder midiático da Rede Bahia, grupo de comunicação que possui vínculos com a Globo na Bahia e com o pensamento conservador e reacionário, afirmando que a rede de comunicação ligada ao prefeito ACM Neto cerceia o direito à informação da população baiana, ao não cobrir os eventos em que o Governo do Estado da Bahia entrega equipamentos e serviços à população.

“Eu governo há três anos e três meses e em nenhuma ordem de serviço eu tive da TV Bahia, para acompanhar os eventos de governo que beneficiam a população, disse o governador, prosseguindo, “na semana passada eu tive no subúrbio ferroviário, em Salvador, assinando ordem de serviço na Policlínica de Escada, e a TV não estava lá. Dei ordem de serviço em várias obras, de várias avenidas em Salvador, e a TV não estava. Ao cobrar da rede de televisão o motivo de eles não cobrirem, eles diziam que é norma da Globo não cobrir ordem de serviço. A gente só cobre inauguração”, comentou o governador.

Rui Costa afirmou que o argumento da Rede Bahia não se sustenta por causa da cobertura das pautas do prefeito do Democratas e lembrou a cobertura durante a assinatura da ordem de serviço do sistema de transporte público tipo BRT, anunciada pelo alcaide na quinta-feira (29), no Bairro Itaigara.

“Engraçado foi que na quinta (29) eu vi uma ampla cobertura da construção de um viaduto ali no Itaigara, cobertura da assinatura da ordem de serviço. Eu procurei e vou mandar meus advogados procurarem saber no TRE se a norma da Globo mudou, porque nos estamos há seis meses da eleição. Eu vou pedir aos meus advogados para procurarem ver e representarem no TRE, porque isso pode ser abuso de poder por parte de quem é dono da televisão. Mudou a regra da Globo?”, questionou Rui.

A severa crítica de Rui Costa ocorreu durante assinatura da construção de uma Unidade Básica de Saúde (UBS), na manhã deste sábado (31/03/2018), no Imbuí, em Salvador, oportunidade em que o governador denunciou “abuso de poder econômico” por parte do prefeito ACM Neto, através da rede de comunicação do papai, a Rede Bahia.

Insatisfeito com o protagonismo e favorecimento da Rede Bahia ao neto do Deputado do Golpe Civil/Militar de 1964, Rui Costa anunciou que vai interpelar o caso no Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TER Bahia).

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9994 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).