STF mantém regras para demarcação de quilombos e rejeita ‘marco temporal’

STF mantém regras para demarcação de quilombos.
STF mantém regras para demarcação de quilombos.
STF mantém regras para demarcação de quilombos.
STF mantém regras para demarcação de quilombos.

O Supremo Tribunal Federal (STF) julgou nesta quinta-feira que o decreto presidencial que define os ritos para demarcações de terras quilombolas é constitucional, rejeitando uma ação do antigo PFL (atual Partido Democratas) que pedia a revisão das regras e podia paralisar cerca de 1,5 mil processos.

Dez ministros votaram pela constitucionalidade do decreto, e apenas um – o relator Cesar Peluzo, que deixou a corte em 2012, quando começou o julgamento – votou contra.A decisão foi considerada “histórica” por quilombolas. “O Estado brasileiro deu um passo à frente no processo de reparação a tudo o que aconteceu ao nosso povo”, disse à BBC Brasil Demildo “Biko” Rodrigues, membro da Coordenação Nacional das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq).

Ele disse que o placar folgado da votação surpreendeu as comunidades “devido ao tempo sombrio que vivemos”.

O STF também rejeitou uma proposição do ministro Dias Toffoli para que fosse estabelecido um “marco temporal” para todas as demarcações de áreas quilombolas e indígenas.

Segundo o princípio, só teriam direito a reivindicar terras os indígenas e quilombolas que as ocupassem quando a Constituição de 1988 foi promulgada. A adoção do conceito do marco temporal é defendida pela bancada ruralista no Congresso, mas combatida por indígenas e quilombolas, muitos dos quais dizem ter sido expulsos de seus territórios originais antes de 1988.Segundo Toffoli, a falta de um “marco temporal” tem travado as demarcações, ao torná-las mais complexas. Ele disse que o princípio só não deve ser observado nos casos em que as comunidades tenham sido apartadas das terras ancestrais por “ato ilícito”.

O ministro Edson Fachin afirmou, no entanto, que muitas comunidades teriam dificuldade em comprovar a posse das terras antes de 1988, já que “as realidades quilombolas eram absolutamente invisíveis até pouco tempo”. A postura foi endossada pela maioria dos colegas.

“Equívoco”

A Ação Direta de Inconstitucionalidade 3.239 – levada ao STF quando o DEM ainda se chamava PFL, em 2003 – questionava a validade de um decreto presidencial que define os critérios para a demarcação dessas áreas.

Na terça-feira, o atual presidente do DEM, senador José Agripino Maia, disse à BBC Brasil que o partido havia mudado sua postura em relação ao tema e que a sigla cometera um “equívoco” ao propor a ação. Como o julgamento já havia começado, porém, não era mais possível retirá-la.

Juristas avaliavam que, se o decreto fosse derrubado, as demarcações seriam paralisadas até o estabelecimento de novas regras, o que não teria prazo para ocorrer.Segundo o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), 220 territórios quilombolas já foram titulados no país, e outros 1,5 mil estão em processo de regularização. Vários processos se arrastam há mais de uma década.

Autoidentificação

A ação proposta pelo PFL dizia, entre outros pontos, que demarcações de quilombos não poderiam ter sido regulamentadas pela Presidência, e sim pelo Congresso.

O decreto que regula o tema foi assinado em 2003 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e mudou os trâmites da demarcação, tornando-a uma competência do Incra. Até então, o papel cabia à Fundação Palmares, vinculada ao Ministério da Cultura.

A ação também questionava a possibilidade de que os quilombos se autoidentificassem. Para o PFL, apenas comunidades fundadas por escravos fugidos poderiam ser consideradas quilombolas e reivindicar terras.

O STF decidiu, porém, que a autodeclaração é legítima.

Nas últimas décadas, tem prevalecido entre os quilombolas o entendimento da Associação Brasileira de Antropologia (Aba) segundo o qual o termo quilombo se aplica a comunidades negras “que desenvolveram práticas de resistência na manutenção e reprodução de seus modos de vida característicos num determinado lugar”, não necessariamente fundadas por ex-escravos.

Para Demildo “Biko” Rodrigues, da Conaq, a decisão do STF “é um primeiro passo, mas ainda há um longo caminho para assegurar que nossos direitos sejam efetivados”.

Ele disse que o principal desafio das comunidades agora é “dialogar com o Executivo para que sejam mobilizados recursos para acelerar os processos” de demarcação.

*Com informações da BBC Brasil.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111216 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]