Servidores do Município de Candeias entraram em greve

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Servidores do Município de Candeias protestam.
Servidores do Município de Candeias protestam.
Servidores do Município de Candeias protestam.
Servidores do Município de Candeias protestam.

Na manhã desta quarta-feira (21/02/2018) os servidores públicos de Candeias decretaram greve em assembleia realizada na Praça Dr. Francisco Gualberto Dantas Fontes. A assembleia foi proposta pelo Sindicato dos Servidores do Município de Candeias (SISEMC) e teve o apoio da Força Sindical, além das associações específicas das categorias. Houve também uma passeata na Rua 13 de Maio assim que foi finalizada a assembleia e uma manifestação na Câmara de Vereadores ficou marcada para amanhã (22/02/2018), às 8 horas, com o intuito de sensibilizar os representantes do povo para a causa dos servidores.

Para Juscelino Santos, presidente do SISEMC, “desde outubro apresentamos a pauta de reivindicações e o prefeito não se posicionou, sequer nos atendeu. Enviou representantes que não decidiam e não apresentavam contraproposta. Por isso a única saída dos servidores foi a greve para sensibilizar o Poder Público”.

Consta na pauta de reivindicações dos servidores tem o reajuste salarial de 17 por cento, plano de cargos e salários, auxílio-transporte para todos os servidores, fardamento para todos, implantação da Guarda Municipal (e absorção dos vigilantes para a mesma), horas extras, reajuste do auxílio-alimentação dos vigilantes, equiparação salarial dos novos professores concursados, auxílio-alimentação e risco de morte para os Agentes de Trânsito e a inclusão de auxiliares de classe no plano de carreira e remuneração dos servidores do magistério de Candeias.

Presente na assembleia desta quarta, Emerson Gomes, presidente da Força Sindical Bahia, também acredita que a falta de diálogo do município prejudicou os servidores e culminou no decreto de greve: “A Prefeitura precisa entender que os servidores são fundamentais para a funcionalidade do município e o prefeito precisa saber que é primordial que os servidores sejam valorizados. A luta da classe trabalhadora precisa ser respeitada”, afirmou o dirigente.

Desde outubro passado o sindicato tenta negociar com a prefeitura acerca das reivindicações em defesa dos direitos dos servidores. Em janeiro, secretários municipais receberam o sindicato por duas vezes, mas as conversas não foram exitosas sobre nenhum tema da pauta e nenhum posicionamento do Poder Público foi exposto. A data-base do sindicato é 1º de janeiro e os reajustes deverão ser retroativos.

No último dia 12 de janeiro o SISEMC conseguiu agendar o início da negociação com o Poder Público. No dia 15, o secretário de Governo e Gestão Jário Silva e o secretário de Administração Carlos Guedes Ferreira reuniram-se com a diretoria do SISEMC e outros representantes dos trabalhadores para iniciar as tratativas.

No último dia 22 de janeiro foi realizada a segunda reunião com representantes da prefeitura para tratar do assunto e nenhuma contrapoposta foi apresentada pelo Poder Público.

Nos dias 8 e 16 de fevereiro foram realizadas manifestações e assembleias para tentar o diálogo com a Prefeitura mas não houve evolução.

Precatórios do FUNDEF

Hoje (21) a Mesa Técnica sobre os Precatórios do FUNDEF também teve reunião e nenhuma resposta da Prefeitura sobre o repasse das verbas foi recebida. Sessenta por cento do valor é devido aos profissionais da educação e os outros 40% serão para investimentos que a Prefeitura deverá fazer em educação, podendo aproveitar também para investir no pessoal auxiliar, como merendeiras, auxiliares de serviços gerais e vigilantes.

Os precatórios são decorrentes de uma ação judicial de municípios e Estados contra a União. Durante a vigência do FUNDEF, o Governo Federal deixou de repassar parte dos recursos aos municípios referentes ao valor-aluno. Para compensar essas perdas, as prefeituras entraram na Justiça reclamando o pagamento da verba devida. Após uma longa batalha nos tribunais, o Governo Federal está sendo obrigado a quitar essa dívida. A ação já foi transitada e julgada. Como o FUNDEF foi criado para valorização do Magistério, somente os profissionais do magistério têm direito ao precatório.

Sobre Carlos Augusto 9656 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).