Tesouro Perdido: Proprietário de apartamento confirma que emprestou imóvel ao ex-ministro Geddel Vieira Lima; PF vai investigar procedência dos R$ 51 milhões

Operação Tesouro Perdido: Polícia Federal diz que dinheiro achado em imóvel que seria usado por Geddel Vieira Lima soma mais de R$ 51 milhões. Foram contabilizados R$ 42.643,500 e US$ 2.688 milhões. Perfazendo um total, em reais, de R$ 51.030.866,40.
Operação Tesouro Perdido: Polícia Federal diz que dinheiro achado em imóvel que seria usado por Geddel Vieira Lima soma mais de R$ 51 milhões. Foram contabilizados R$ 42.643,500 e US$ 2.688 milhões. Perfazendo um total, em reais, de R$ 51.030.866,40.

O proprietário do apartamento em que a Polícia Federal (PF) encontrou R$ 51 milhões atribuídos ao ex-ministro Geddel Vieira Lima, confirmou à Polícia Federal (PF) o empréstimo do imóvel a Geddel. O depoimento foi prestado, após intimação para depor, na sede da PF, na capital baiana.

A confirmação foi dada pelo Superintendente da Polícia Federal na Bahia, Daniel Madruga. Segundo o delegado, Silveira teria emprestado o apartamento – localizado no bairro da Graça, em Salvador – a Geddel, para que guardasse os pertences do pai, que morreu no ano passado. Conforme relatou Madruga, Silveira disse não saber da real intenção do ex-ministro quando solicitou o empréstimo do apartamento.

O superintendente informou, ainda, que Geddel Vieira Lima deve ser intimado para explicar a origem do dinheiro. O depoimento, no entanto, deve ser dado em Brasília, já que as investigações ocorrem na 10ª Vara da Justiça Federal, na capital federal.

“Importante destacar que possuir e ter o dinheiro, por si só, não é crime. Essa investigação, que está em curso em Brasília, vai apurar se a origem do dinheiro é ou não lícita”, disse o sdelegado.

A Operação Tesouro Perdido foi autorizada pelo juiz Federal Wallisney Oliveira, que viu indícios de fraudes na liberação de créditos na Caixa Econômica Federal (Caixa), entre 2011 e 2013, período em que Geddel era vice-presidente de Pessoa Jurídica. O montante encontrado dentro de malas e caixas no apartamento estava coberto apenas por um lençol, conforme relatou a PF. No dia da operação, na última terça-feira (5), a PF levou cerca de 12 horas para contar todas as cédulas, em máquinas de uma empresa de transporte de valores.

Os R$ 51 milhões já foram adicionados ao processo, que vai investigar a procedência do dinheiro e se tem mesmo ligação com Geddel Vieira Lima. Daniel Madruga a relatar a surpresa dos policiais, ao encontrar um grande volume de dinheiro, quando esperavam encontrar documentos.

Até o momento, a defesa do ex-ministro não se manifestou sobre a operação da PF. Geddel Vieira Lima cumpre prisão domiciliar em Salvador, no apartamento onde mora com a família.

PF vai investigar procedência dos R$ 51 milhões atribuídos a Geddel

O Superintendente da Polícia Federal na Bahia, Daniel Madruga, informou na quarta-feira (06/09/2017) que os R$ 51 milhões encontrados ontem em um apartamento de Salvador e atribuídos ao ex-ministro Geddel Vieira Lima foram depositados em juízo, para que seja investigada a procedência das cédulas.

“O dinheiro, após contabilizado, foi depositado na Caixa Econômica Federal, numa conta vinculada ao processo. Importante destacar que possuir e ter o dinheiro, por si só, não é crime. Essa investigação, que está em curso em Brasília, vai apurar se a origem do dinheiro é ou não lícita”, destacou Madruga.

No despacho do juiz federal Wallisney Oliveira, as investigações atribuem os valores a fraudes na liberação de créditos na Caixa Econômica Federal, entre os anos de 2011e 2013, período em que Geddel era vice-presidente de Pessoa Jurídica da empresa federal.

O Superintendente da PF disse, ainda, que os agentes policiais, que cumpriram o mandado de busca e apreensão no apartamento no bairro da Graça, ficaram “surpresos” com o conteúdo das malas e caixas e com a quantidade de dinheiro.

“Os policiais, quando entraram no apartamento, ficaram surpresos, porque esperavam encontrar caixas com documentos e na verdade se depararam com caixas e malas de dinheiros. Foi uma surpresa muito grande”, relatou o Superintendente. Além disso, ele disse que, pela quantidade de cédulas encontradas, foi preciso o serviço de uma empresa transportadora de valores, que utilizou oito máquinas para contar o dinheiro, com o auxílio de onze funcionários. A contagem, segundo ele, durou cerca de 12 horas.

Passadas mais de 24 horas desde a apreensão do dinheiro atribuído a Geddel, a defesa do ex-ministro ainda não se manifestou. Geddel cumpre prisão domiciliar em Salvador, no apartamento onde mora com a família. Atualmente, ele não utiliza tornozeleira eletrônica, porque o estado da Bahia não possui o equipamento. A Secretaria de Administração Penitenciária estadual informou que até 20 de setembro os aparelhos de monitoramento adquiridos devem chegar a Salvador.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109732 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]