Rio de Janeiro: empreiteiro diz que vencedores de obras eram escolhidos antes da licitação

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Ex-governador Sérgio Cabral responde por a processos judiciais por atos de corrupção.
Ex-governador Sérgio Cabral responde por a processos judiciais por atos de corrupção.

As empresas que seriam escolhidas para fazer grandes obras durante a gestão do ex-governador Sergio Cabral já estavam definidas antes da licitação. A revelação é do empreiteiro Ricardo Pernambuco Júnior, dono da Carioca Engenharia, que depôs nesta segunda-feira (04/09/2017) ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, que investiga os desdobramentos da Operação Lava Jato no Rio.

“A Carioca é uma empresa aqui do Rio de Janeiro e tinha uma relação com o ex-governador Cabral. No início do governo, lançaram esses dois programas, o PAC das Favelas e o Arco Metropolitano, e nós nos colocamos como pretendentes desses programas. Estive no Palácio Guanabara com o ex-secretário de governo Wilson Carlos, que me comunicou qual seriam as empresas que participariam do PAC Favelas”, disse Pernambuco.

O empresário firmou um acordo de colaboração premiada com a Justiça. Ele contou que as empreiteiras se reuniam, previamente, para discutir os detalhes das licitações, incluindo qualificações técnicas que acabavam direcionando o certame para determinadas empresas.

“Essas empresas se reuniam e passavam a trabalhar na qualificação técnica do edital, para permitir uma diminuição de sua competitividade. E isso aconteceu, tanto é que quem apresentou as propostas e foram qualificados foram os consórcios que teriam sido indicados como vencedores da licitação”, disse o colaborador

Segundo o empreiteiro, coube a sua empresa parte das obras na Rocinha, como contrapartida aos valores anteriormente pagos. “Foi feito um acerto, em fevereiro de 2008, com o Wilson Carlos, que a Carioca participasse com valores mensais sobre os contratos que viria a ganhar. Em março, a Carioca repassava valores de R$ 200 mil mensais ao governo”, disse o dono da Carioca.

Também foram ouvidas mais seis pessoas, algumas colaboradoras da Justiça, envolvidas no processo que investiga os pagamentos de propinas a políticos por empreiteiras. Procurada, a defesa do ex-governador Cabral negou as afirmações do empreiteiro. “O ex-governador nunca esteve em reunião para tratar de propinas com quem quer que seja ou permitiu que alguém o fizesse usando o seu nome”.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 121648 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.