Anistia Internacional denuncia Brasil a ONU por retrocesso nos Direitos Humanos

Governo do presidente Michel Temer é denunciado por retrocesso na política de direitos humanos.
Governo do presidente Michel Temer é denunciado por retrocesso na política de direitos humanos.
Governo do presidente Michel Temer é denunciado por retrocesso na política de direitos humanos.
Governo do presidente Michel Temer é denunciado por retrocesso na política de direitos humanos.

Nesta quinta-feira (21/09/2017) o Brasil participou, em Genebra, da Revisão Periódica Universal das Nações Unidas sobre Direitos Humanos, correspondente ao período 2012-1016. A Anistia Internacional, contudo, alerta para a diferença entre as boas intenções demonstradas à ONU e a realidade brasileira.

Na revisão, que acontece a cada quatro anos e meio, foram discutidas 246 recomendações da ONU para frear a deterioração dos direitos humanos no país. De todas as recomendações, a missão diplomática brasileira só não aceitou quatro, por entrarem em conflito com as leis vigentes no país.

A Anistia Internacional (AI), no entanto, alerta que, na hora de implementar estas mesmas políticas no país, o governo não apresenta a mesma disposição.

Nos últimos meses, o Brasil tem levado adiante uma ofensiva contra os Direitos Humanos, com a tramitação de mais de 130 projetos legislativos que estão atualmente no Congresso e que restringem direitos como ao aborto, à liberdade de expressão e manifestação pacífica, perpetuam a impunidade por crimes cometidos pelos órgãos e forças de segurança, flexibilizam a legislação de acesso a armas, reduzem a maioridade penal para 16 anos e diminuem os direitos dos povos indígenas e das comunidades quilombolas a suas terras.

“Nas Nações Unidas, o Brasil tem apoiado recomendações para investigar homicídios cometidos pela polícia e prevenir os abusos dos membros das forças de segurança, mas o número de pessoas mortas durante operações policiais – em sua maioria jovens negros que vivem nas favelas – tem aumentado nos últimos anos”, alega Renata Neder, coordenadora de pesquisa e políticas da Anistia Internacional no Brasil, em viagem a Genebra para acompanhar a Revisão Periódica Universal a que foi submetido o país.

Povos indígenas ameaçados

“Por outro lado, enquanto o Brasil vem apoiando nas Nações Unidas recomendações para acabar com a violência contra os povos indígenas e quilombolas, e promover seus direitos, dentro do próprio país, está promovendo mudanças legislativas que eliminariam o direito à terra destes mesmos grupos”, relata a Anistia Internacional em comunicado de imprensa.

Por último, a AI alega que, enquanto o Brasil apoia nas Nações Unidas as recomendações para proteger os direitos de meninos e meninas, o Congresso está atualmente prestes a aprovar um projeto legislativo que reduziria a maioridade penal de 18 para 16 anos, o que contradiz a legislação internacional e põe em perigo milhões de jovens brasileiros.

“Em termos gerais, a Anistia Internacional pede coerência ao Brasil e que aplique em suas políticas internas todas as recomendações que aceita no exterior. Só assim poderá avançar na proteção e na promoção dos direitos humanos”, conclui Renata Neder.

“Direitos não se liquidam”

A Anistia Internacional tem chamado a atenção para estas ameaças de retrocesso desde o último dia 31 de julho, quando foi lançada a campanha “Direitos não se liquidam”, com o objetivo de exigir que não se produzam retrocessos nos Direitos Humanos no país.

Segundo a AI, alguns destes retrocessos já estão em andamento, como aqueles que afetam o aborto, propondo a criminalização em todos os casos, ou a revogação do Estatuto do Desarmamento, que provocará um aumento da quantidade de armas nas ruas de um país com taxas de violência tão elevadas.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111094 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]