Prefeitura de Alagoinhas diz que servidores do Município de Feira de Santana foram cedidos sem ônus para PMFS

Em nota, a Prefeitura de Alagoinhas esclarece que "não há irregularidade alguma na gestão da saúde no município. Todas as acusações feitas ao secretário municipal de saúde, Rodrigo Matos não se sustentam".
Em nota, a Prefeitura de Alagoinhas esclarece que "não há irregularidade alguma na gestão da saúde no município. Todas as acusações feitas ao secretário municipal de saúde, Rodrigo Matos não se sustentam".
Em nota, a Prefeitura de Alagoinhas esclarece que "não há irregularidade alguma na gestão da saúde no município. Todas as acusações feitas ao secretário municipal de saúde, Rodrigo Matos não se sustentam".
Em nota, a Prefeitura de Alagoinhas esclarece que “não há irregularidade alguma na gestão da saúde no município. Todas as acusações feitas ao secretário municipal de saúde, Rodrigo Matos não se sustentam”.

Em nota, encaminhada nesta quarta-feira (23/08/2017), a Prefeitura Municipal de Alagoinhas (PMA) esclarece sobre denúncia que afirmava existir duplo vínculo de servidores lotados na Secretaria Municipal da Saúde de Alagoinhas e na Prefeitura Municipal de Feira de Santana (PMFS). Conforme declaração, o servidor Rodrigo Matos foi cedido pelo município de Feira de Santana à administração de Alagoinhas, sem ônus para a administração municipal de Feira de Santana.

Confira nota ‘Prefeitura de Alagoinhas esclarece denúncias sobre irregularidades na SESAU’

Fazendo referência à denúncia apresentada por veículo de comunicação da região, a prefeitura de Alagoinhas esclarece por meio de nota que não há irregularidade alguma na gestão da saúde no município. Todas as acusações feitas ao secretário municipal de saúde, Rodrigo Matos não se sustentam, inclusive há provas documentais de que todos os processos ocorrem dentro da regularidade e obediência aos procedimentos legais, sem qualquer mácula ao bem público ou má fé.

As denúncias apontam que o secretário teria duplo vínculo com as prefeituras de Feira de Santana e Alagoinhas, contudo, conforme documentos oficiais a prefeitura de Feira de Santana cedeu Rodrigo Matos à prefeitura de Alagoinhas no dia 06 janeiro sem ônus para o município, ou seja, os pagamentos seriam cessados. Sua nomeação foi oficializada em 09 de janeiro, após cessão e inclusive retardatária em relação aos demais secretários da gestão, derrubando a narrativa de duplo vínculo.

Sobre a continuidade de pagamentos feitos pela prefeitura de Feira de Santana foi comprovado um lapso administrativo que permitiu a permanência de depósitos, estes, assim que contestados pelo Tribunal de Contas do Município no dia 17 de julho de 2017 foi devidamente apurado e em seguida oferecido ressarcimento de maneira voluntário por Matos. A devolução dos créditos foi feita de forma integral justamente pela falta de conhecimento a respeito dos valores em conta, cuja, não era movimentada.

Quanto a especulações referentes aos funcionários da secretaria oriundos de outros municípios, especialmente de Feira de Santana, também há fragilidade no discurso sem prova comprobatória. De acordo com o Decreto nº 2879/2009 foi instituído o turno de seis horas diárias de trabalho, das 7h às 13h, deste modo sob-hipótese alguma os servidores saem antes do cumprimento de sua carga horária.

Alagoinhas é uma cidade grandiosa e de potencial econômico significativo para a região, por isso, insinuar que o município funciona como quintal de outra cidade é um desrespeito à população. O que ocorre na atual administração como um todo, bem como na saúde é eficiência técnico-administrativa, prezando pelo intercâmbio de experiências distintas, o que engrandece a gestão.

Quanto ao questionamento referente à contratação de um escritório de Salvador para a Comissão de Licitações, foi uma decisão tramitada pelos órgãos técnicos da prefeitura, cujo marco foi o Decreto nº 4618/17, como parte da estratégia da gestão para garantir maior eficiência, agilidade e melhores contratações para o Poder Público, com inegáveis ganhos para o erário e a sociedade.

No contexto do contrato mencionado na denúncia, está previsto também a capacitação e preparação permanente dos agentes da Secretaria de Saúde responsáveis pelo setor de contratos e licitações, bem como a modernização e readequação do Fundo Municipal da Saúde e da estrutura interna da Secretaria, que envolve a revisão legislativa correspondente.

Isto não significa afastamento da procuradoria e da controladoria no exame de todos os processos de compras, sendo este o modelo adotado por cidades do porte de Alagoinhas, que dispõem de Comissões Setoriais de Licitações para atender a especificidade da área da saúde, com a velocidade necessária a garantir a melhoria permanente no atendimento à população. Deste modo a prefeitura reafirma seu compromisso com a transparência apresentando documentos comprobatórios que invalidam as denúncias.

Sobre Carlos Augusto 9508 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).