“Nós provamos que o semiárido não precisa ser refém da seca”, diz ex-presidente Lula, durante ato em defesa das políticas públicas para a agricultura familiar, em Feira de Santana

Governador Rui Costa, senadora Gleisi Helena Hoffmann e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participam, em Feira de Santana, de ato em defesa da Agricultura Familiar.

Governador Rui Costa, senadora Gleisi Helena Hoffmann e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participam, em Feira de Santana, de ato em defesa da Agricultura Familiar.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu neste sábado (19/08/2017), em ato na cidade de Feira de Santana, as políticas executadas pelos governos petistas em defesa do semiárido, que resultaram em um sistema possível de convivência com a seca nordestina e impulsionaram a agricultura familiar na região.

Lula citou como exemplo a implantação de 1,4 milhão de cisternas construídas pelo Brasil durante os governos Lula e Dilma. “Eu sempre falei que a seca no Nordeste era um fenômeno da natureza, já a miséria e a morte por causa da seca era fruto da irresponsabilidade de quem governava esse pais”, afirmou durante o ato, promovido pela Articulação Semiárido Brasileiro (ASA).

“Eu nunca vi o governo do Canadá dizer que ia acabar com a neve. Eles estabeleceram uma política de convivência com o inverno rigoroso. E nós começamos a provar que ninguém precisa morrer de sede se tiver um governo responsável”, destacou o ex-presidente. “A água é mais que um direito, é uma necessidade e o Estado não tem o direito de permitir que as pessoas se submetam a indústria de caminhões pipa”.

Lula destacou ainda a política de financiamento dos pequenos agricultores, com linhas de crédito e de subsídio para compra de maquinário. “Esse país já provou que através da agricultura familiar a gente pode alimentar milhões de brasileiros. Mas o que nós fizemos não foi tudo, foi apenas o começo”.

Momento atual

Lula voltou a criticar o governo ilegítimo de Michel Temer e disse que a caravana Lula pelo Brasil está cumprindo com o objetivo de coletar a demanda e ouvir os movimentos sociais sobre os desafios que o Brasil deverá enfrentar. “Infelizmente a verdade é que nos não temos governo, quem está lá representa a imprensa que derrubou a Dilma. É pra isso que estamos fazendo essa caravana, para ouvir as pessoas e buscar soluções para o futuro”, encerrou.

Compartilhe e Comente

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook do JGB

Manchete

Colunistas e Artigos

+ Publicações >>>>>>>>>

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]