PCdoB critica decisão do juiz Sérgio Moro, diz que condenação ocorreu sem provas e que o “ex-presidente Lula é um patrimônio do povo brasileiro”

Atuação parcimoniosa do juiz Sérgio Fernando Moro é criticada.
Atuação parcimoniosa do juiz Sérgio Fernando Moro é criticada.
Atuação parcimoniosa do juiz Sérgio Fernando Moro é criticada.
Atuação partidária do juiz Sérgio Fernando Moro é criticada.

Em nota, emitida nesta quarta-feira (12/07/2017), o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) criticou a decisão do juiz Sérgio Moro em condenar criminalmente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na avaliação do PCdoB, no processo judicial há completa ausência de provas ou mesmo de um conjunto de evidências minimamente consistentes que permitisse a condenação.

Confira a ‘nota do PCdoB sobre condenação do ex-presidente Lula’

Apesar da completa ausência de provas ou mesmo de um conjunto de evidências minimamente consistentes o juiz Sérgio Moro condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 9 anos e meio de prisão.

De nada adiantou o trabalho da defesa do ex-presidente, que invertendo o que pede o processo penal, produziu ela mesma prova da inocência de Lula; nem mesmo todas as declarações de inúmeros jurisconsultos afirmando que, com a completa ausência de provas, a condenação seria absurda.

O PCdoB manifesta a sua firme indignação com a decisão proferida pelo juiz Sérgio Moro, solidariza-se com Lula, sua família e seu partido, e conclama todos os democratas, independente de suas posições políticas ou ideológicas, a se mobilizarem para que o Estado democrático de direito seja garantido e o presidente seja inocentado nas próximas instâncias recusais.

A decisão judicial

A nota é decorrente da sentença proferida pelo juiz Sérgio Moro, que condenou o ex-presidente Lula a 9 anos e seis meses de prisão, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex no Guarujá. A ação judicial foi decorrente das investigações do Caso Lava Jato.

Sobre Carlos Augusto 9521 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).