13 de Maio. Aparição de Nossa Senhora de Fátima

“E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça” (Apocalipse).

Nossa Senhora de Fátima

Nossa Senhora de Fátima

Corria o ano de 1917. O mundo Terra estava dilacerado pela guerra, dor e morte.

No dia de 13 de maio, num lugar chamado Cova da Iria, em Fátima – Portugal, 3 crianças – 3 pastorinhos – estavam brincando. Chamavam-se Lúcia, Francisco e Jacinta. De repente, observaram dois clarões como de relâmpagos, e em seguida viram, sobre a copa de uma pequena árvore chamada azinheira, uma Senhora de beleza incomparável.

Era uma Senhora vestida de branco, mais brilhante que o sol, irradiando luz mais clara e intensa que um copo de cristal cheio de água cristalina, atravessado pelos raios do sol mais ardente.

Sua face, indescritivelmente bela, não era nem alegre e nem triste, mas séria, com ar de suave censura. As mãos juntas, como a rezar, apoiadas no peito, e voltadas para cima. Da sua mão direita pendia um Rosário. As vestes pareciam feitas somente de luz. A túnica e o manto eram brancos com bordas douradas, que cobria a cabeça da Virgem Maria e lhe descia até os pés.

Lúcia jamais conseguiu descrever perfeitamente os traços dessa fisionomia tão brilhante. Com voz maternal e suave, Nossa Senhora tranquiliza as três crianças, dizendo:

– Não tenhais medo, eu não vos farei mal.

E Lúcia pergunta:

– Donde é Vossemecê?

– Sou do Céu!

Lúcia:

– E que é que vossemecê me quer?

– Vim para pedir que venhais aqui seis meses seguidos, sempre no dia 13, a esta mesma hora. Depois vos direi quem sou e o que quero. Em seguida, voltarei aqui ainda uma sétima vez.

Lúcia:

– E eu também vou para o Céu?

– Sim, vais.

Lúcia:

– E a Jacinta?

– Também.

Lúcia:

– E o Francisco?

-Também. Mas tem que rezar muitos terços.

Entao Nossa Senhora pergunta à Lúcia:

– Quereis oferecer-vos a Deus para suportar todos os sofrimentos que Ele quiser mandar-vos, em ato de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido, e de súplica pela conversão dos pecadores?

Lúcia responde:

– Sim, queremos.

Nossa Senhora lhe diz:

– Tereis muito que sofrer, mas a graça de Deus será o vosso conforto.

Ao pronunciar estas últimas palavras, Nossa Senhora abriu as mãos, e delas saía uma intensa luz.

Os pastorinhos sentiram um impulso que os fez cair de joelhos, e rezaram em silêncio a oração que o Anjo havia lhes ensinado:

– Ó Santíssima Trindade, eu Vos adoro. Meu Deus, meu Deus, eu Vos amo no Santíssimo Sacramento.

Passados uns momentos, Nossa Senhora acrescentou:

– Rezem o Terço todos os dias, para alcançarem a paz para o mundo, e o fim da guerra.

Em seguida, cercada de luz, começou a elevar-se serenamente, até desaparecer.

Assim se deu a primeira Aparição de Nossa Senhora.

Por 7 meses seguidos, sempre no dia 13 de cada mês, a Senhora vestida de sol apareceu aos pastorinhos. Uma multidão passou a acompanhar-lhes. Muitos prodígios e milagres aconteciam no lugar; curas de doentes e enfermos, conforme o merecimento; e a conversão de pecadores.

E a Virgem Imaculada Conceição do Rosário de Fátima sempre os exortava a rezarem o Terço. E os orientou:

– Quando rezardes o Terço, dizei depois de cada mistério:

“Ó meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o Céu, principalmente aquelas que mais precisarem”.

100 anos já se passaram destes feitos. E naquele lugar sagrado os milagres se multiplicam, e a conversão dos pecadores continua a acontecer. Cada devoto de Nossa Senhora de Fátima conserva uma relação pessoal e mística com ela, mantendo acesa no coração a Chama Crística da salvação.

Amém!

Compartilhe e Comente

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook do JGB

Manchete

Colunistas e Artigos

+ Publicações >>>>>>>>>

Sobre o autor

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]