Relatório da Reforma Trabalhista é a sentença de morte da CLT, critica deputado Robinson Almeida

Deputado federal Robinson Almeida critica reforma trabalhista proposta pelo Governo Temer.
Deputado federal Robinson Almeida critica reforma trabalhista proposta pelo Governo Temer.
Deputado federal Robinson Almeida critica reforma trabalhista proposta pelo Governo Temer.
Deputado federal Robinson Almeida critica reforma trabalhista proposta pelo Governo Temer.

O deputado federal Robinson Almeida (PT/BA) classificou o relatório da Reforma Trabalhista, apresentado na última quarta-feira, como a “sentença de morte para a legislação trabalhista. Tentam mudar mais de 100 artigos da CLT de forma apressada”, afirma o deputado.

Ainda segundo Almeida, o relator do projeto Rogério Marinho (PSDB) “conseguiu piorar o projeto de lei, que já era muito ruim”.

O deputado baiano também chama a atenção para tentativa, inclusive do presidente do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), de votar um requerimento de urgência no plenário, o que poderá acelerar a votação na comissão, reduzindo o prazo de emendas.

Entre outras perdas de direitos, a Reforma Trabalhista restringe o acesso à Justiça por aqueles que se sentirem lesados em seus direitos trabalhistas, ou seja, “amordaça a Justiça do Trabalho”, explica Robinson Almeida. Além de proteger os sindicatos patronais, sem nenhuma mudança na sua arrecadação, em sacrifício dos sindicatos dos trabalhadores, com o fim do imposto sindical.

A proposta de Reforma Trabalhista em tramitação na Câmara Federal também amplia o conceito do negociado sobre o legislado para 16 direitos trabalhistas, inclusive a jornada diária de trabalho. A proposta ainda ratifica a Terceirização ampla, geral e irrestrita; o que leva à precarização das relações de trabalho no país.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108944 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]