+ Manchetes >

Que é a felicidade? 23 de março, meu aniversário

Quando eu era menino, pensava como menino; logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Juarez Bomfim em Bakhtapur, Nepal.

Juarez Bomfim em Bakhtapur, Nepal.

Cecília Maringoni e Juarez Duarte Bomfim

Cecília Maringoni e Juarez Duarte Bomfim.

Cecília Maringoni e Juarez Duarte Bomfim e a filha Bárbara.

Cecília Maringoni, Juarez Duarte Bomfim e a filha Bárbara.

Neste 23 de março, quando o sol se faz presente na casa de Áries, completo mais um aniversário.

Deus, o Dono de todas as vidas, tem me dado um longo tempo de permanência aqui no exílio do plano terrenal — vale de lágrimas, lugar de dor e sofrimento… mas também de risos e alegria, pois ninguém é de ferro…

Deve haver um sentido para se prolongarem os meus dias aqui na Terra. Um propósito.

Dúvida filosófica: Qual o sentido da existência?

Buscar a felicidade, responderíamos.

E que é a felicidade?

Quando eu era menino, pensava como menino. A felicidade para mim se traduzia em um apetitoso e caudaloso pudim de leite moça, o qual avidamente degustaria até saciar-me; logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino. Os gostos e os prazeres foram mudando… e já na juventude felicidade para mim se apresentava como uma idealizada e inesquecível intimidade corpórea com a companheira desejada.

Na fase da vida adulta, onde o antigo e mundano homem vulgar morre, para renascer como místico cristão, felicidade se realiza em amar a Deus sobre todas as coisas.

Este é o caminho.

Essas três fases da vida humana correspondem a outras três, que correm paralelas e complementares.

São três ciclos, que apresentam uma linha de progressão: o primeiro, sustentado pela filosofia da práxis, visa mudar o mundo. O que impulsiona o jovem a aderir e participar de movimentos políticos e comportamentais ditos revolucionários. O desencanto com este ilusório caminho coletivo de libertação leva ao segundo ciclo.

O segundo ciclo é o da procura hedonista em si. A busca do prazer sensorial. Aí então, o objetivo a alcançar são os prazeres da carne: a erótica, a enologia e a gastronomia. A “sabedoria” parecia estar centrada ali, naqueles três efêmeros alicerces. Muitos se bastam neste segundo ciclo, e nele estacionam.

Porém, os verdadeiros buscadores saltam para o terceiro: então se revela o caminho da espiritualidade e autoconhecimento. Libido mística? Ou despertar da kundalini?

Qual a feliz oportunidade que me foi dada, para renascer em Cristo?

Ah… não resta dúvida: ter sido agraciado com a Santa Luz de Jesus. O ouro que tem na Terra e a Luz que brilha mais.

Na Santa Luz obtive o meu perdão e a graça da cura.

Na Santa Doutrina de Jesus Cristo me iluminei.

Nunca que imaginaria que existe tantas belezas e primores, advindas do reino vegetal.

Todavia, muitos são os caminhos que levam ao Senhor. Alguns caminhos são para raros, para poucos.

Muitos são os caminhos para alcançar a Verdade Suprema, a qual chamamos de Deus.

O caminho a seguir depende das escolhas que sejam feitas. Deve-se levar em conta a importância dos mestres no nosso aprendizado, para nos orientar e guiar na senda da liberação final. Prometeu-nos Cristo Jesus: “A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá”.

E tantos bons mestres-ensinadores louvo e reverencio: Irineu, Daniel, Yogananda… e tantos outros.

Deus só se revela ao seu verdadeiro devoto, afirma  o Senhor Krishna.

Bhagavan Sri Sathya Sai Baba nos ensina que o caminho da liberação é a repetição do nome de Deus (devoção) e o serviço ao próximo (caridade). E que devemos dedicar todas as nossas ações ao Criador Divino.

Simples? Sim.

Aprender a lição é fácil. Difícil é segui-la, Senhor.

Qualquer que seja o caminho escolhido, a meta deve ser a busca da iluminação, quando — se alcançada — o espírito emancipado não estará mais obrigado a participar do ciclo reencarnatório, de nascimento e morte (a roda de samsara).

Para o cristão, o caminho da iluminação é o Nosso Senhor Jesus Cristo, pois a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus.

Amém Jesus, Maria e José.

Compartilhe e Comente

Publicidade

Publicidade

Facebook do JGB

+ Publicações >>>>>>>>>

Sobre o autor

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]