Presidência da Repúbica confirma que Michel Temer pediu auxílio à Odebrecht, mas amparado na lei

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Presidente Michel Temer, evidências de envolvimento em atos de corrupção no Caso Lava Jato se avolumam.
Presidente Michel Temer, evidências de envolvimento em atos de corrupção no Caso Lava Jato se avolumam.
Presidente Michel Temer, evidências de envolvimento em atos de corrupção no Caso Lava Jato se avolumam.
Presidente Michel Temer, evidências de envolvimento em atos de corrupção no Caso Lava Jato se avolumam.

O Palácio do Planalto informou hoje (24/02/2017), por meio de nota à imprensa, que o presidente Michel Temer pediu auxílio “formal e oficial” à Construtora Norberto Odebrecht para a campanha eleitoral à Presidência da República de 2014. A nota diz que Temer não autorizou, nem solicitou, “que nada fosse feito sem amparo nas regras da Lei Eleitoral”.

De acordo com o comunicado, a empreiteira doou R$ 11,3 milhões ao PMDB, valor devidamente declarado na prestação de contas do partido.

A manifestação do presidente é uma resposta a reportagens publicadas nesta quinta-feira (23), segundo as quais o ex-assessor especial da Presidência José Yunes relata o recebimento de um pacote a pedido do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

“Quando presidente do PMDB, Michel Temer pediu auxílio formal e oficial à Construtora Norberto Odebrecht. Não autorizou, nem solicitou que nada fosse feito sem amparo nas regras da Lei Eleitoral”, informou o Planalto. “Tudo declarado na prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral. É essa a única e exclusiva participação do presidente no episódio”, afirma a nota.

José Yunes, amigo de muitos anos do presidente Michel Temer, pediu afastamento da assessoria especial em dezembro do ano passado, após o ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho delatar que ele teria recebido dinheiro vivo em seu gabinete. Em reportagem da revista Veja, o ex-assessor confirma que recebeu em 2014 um pacote do doleiro Lúcio Funaro, apontado pela Operação Lava Jato como operador financeiro do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

No ano passado, a Presidência já havia negado que Temertivesse  solicitado valores ilícitos da empreiteira, após virem à tona os depoimentos do ex-executivo.

O ministro Eliseu Padilha ainda não se manifestou sobre as declarações de Yunes.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123094 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.