Salvador: Luís Miranda estreia, no Teatro Jorge Amado, temporada de verão da peça ‘7Conto’

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Ator Luís Miranda.
Ator Luís Miranda.
Ator Luís Miranda.
Ator Luís Miranda.

Depois de ter somado mais de um milhão de espectadores, consagrando o sucesso unanime de crítica e público, o ator Luís Miranda  retorna ao teatro baiano para uma temporada especial de verão da comédia 7Conto  – uma realização da Miranda Produções e Paula Hazin, direção da atriz Ingrid Guimarães e supervisão de direção de Elísio Lopes Jr (do “Esquenta!” e do “Espelho”). Sempre atualizando e reciclando cenários, figurinos e texto, o espetáculo ficará em cartaz em curta temporada, a partir do dia 4 de fevereiro, aos sábados, às 20h, e domingos, às 19h, e segue até março, no Teatro Jorge Amado.

Do tablado para a TV

Em 2017, 7Conto se aquece para alçar novos  vôos. A comédia invadirá as telinhas em formato de série, numa  parceria entre Luís Miranda e Elísio Lopes. Os dois estão produzindo o roteiro para TV e cinema com os personagens da peça, que será entregue no início de 2018.

Ação Social – Programa Eu Faço Cultura

Beneficiários dos programas de Governo, estudantes de escolas estaduais e municipais, participantes de ONGs podem se cadastrar no site www.eufacocultura.com.br e adquirir o ingresso gratuito para assistir ao espetáculo 7Conto.

Sobre o espetáculo

7Conto  vai muito além da comédia, ele convida a plateia a lançar um novo olhar sobre as questões sociais e políticas do país de uma forma cômica porém muito intensa. “Essa será uma temporada muito especial, pois, o momento do país é muito significativo. Ter uma comédia de 10 anos que continua atual, para mim isso é a afirmação da minha assinatura como dramaturgo, comediante e ator”, revela Luís Miranda, que se mostra feliz por realizar um projeto atemporal.

A Comédia, com texto e atuação do próprio ator, é um espetáculo que aponta, de uma maneira bem humorada, as diferenças do Brasil através de sete personagens , todos criados pelo ator. Com direção de Ingrid Guimarães, Luís Miranda coloca em cena todo o seu talento de humorista, fazendo o público rir e se identificar com os personagens:

Queixada, bebum, misto de guardador de carros e filósofo do cotidiano, flanelinha simpático, como raramente se encontra nas ruas das grandes metrópoles, arranca gargalhadas ao contar as aventuras e desventuras de suas relações com os clientes, em meio a goles da sua inseparável garrafinha de cerveja.

Caroline, O ator negro encarna a atriz mirim que não se conforma com os papéis que lhe são reservados na história do teatro e televisão brasileiros. Com a doçura peculiar das crianças carentes de atenção, expressa na voz fina carregada de simbolismo e no humor nada inocente, a personagem ironiza a postura da literatura infantil, que põe em campos radicalmente opostos Branca de Neve e O Negrinho do Pastoreio, refletindo-se de forma idêntica nas novelas e nas peças nacionais.

Dona Editi, líder comunitária e apresentadora do programa Editi, Corte e Economize, é uma homenagem bem humorada às mulheres faveladas que labutam no dia-a-dia, às voltas com a falta de dinheiro e tendo que usar a criatividade para tocar a vida, revela o ator, que inspirou-se sobretudo em sua mãe, Luzia Miranda.

Detona, apresentadora do programa da TV Magnata, uma clara alusão aos apresentadores sensacionalistas da televisão brasileira. A graça do personagem é maliciosa, e seu discurso indignado contra os pobres faz rir pelo nonsense, mas revela a sua verdadeira face na arrepiante cena final, de certa forma síntese de todo o espetáculo.

Sheila, socialite das mais chiques e afetadas, megalômana e deslumbrada, ela é um dos tipos mais populares e caricatos construídos por Luís Miranda em sua carreira. Deusa do luxo e sofisticação, absurdamente vestida com um sobretudo fabricado com “o pelo-rei de ovelhas albinas criadas no sul-nordeste da Croácia”. A mesma que, na companhia de príncipes e condes tão ricos e fúteis quanto ela, sorve goles e goles do “prosecco tão seco, mas tão seco, que é feito com uvas passas…”.

Dona Arminda, uma octogenária que faz chorar com a percepção do quanto somos cruéis com os idosos neste país e faz chorar de rir com seu palavreado desbocado de indignação contra as maravilhas da informática que, contudo, excluem e fazem penar os mais velhos.

Dandara – Uma crítica à intolerância religiosa

Agenda

Local: Teatro Jorge Amado | Salvador

Datas: 04, 05, 11, 12, 18 e 19 de fevereiro

             04,05, 11 e 12  de março

Quando: Sábado às 20h e Domingo às 19h.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113486 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]