Brasil é eleito para integrar Conselho de Direitos Humanos da ONU

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Logomarca da Organização das Nações Unidas (ONU).
Logomarca da Organização das Nações Unidas (ONU).
ONU aponta dificuldade do Brasil em lidar com corrupção.
Mandato de três anos do Brasil começa em 1º de janeiro de 2017; foram 14 países escolhidos pela Assembleia Geral da ONU, incluindo Arábia Saudita, China, Cuba, Estados Unidos e Iraque.

Os países-membros da ONU decidiram nesta sexta-feira (28/10/2016) os novos integrantes do Conselho de Direitos Humanos, órgão que tem sede em Genebra. A votação aconteceu em Nova York, no saguão da Assembleia Geral.

Foram 18 países candidatos para 14 vagas, representando várias regiões do mundo. Eram duas cadeiras para candidatos da América Latina e do Caribe e os escolhidos foram Brasil e Cuba, país que conseguiu ser reeleito. Guatemala era o terceiro concorrente.

Escolhidos

O mandato começa no dia 1º de janeiro de 2017 e segue por três anos. Para o bloco da África, foram escolhidos Egito, Ruanda, África do Sul e Tunísia. Representando a Europa do Leste, Croácia e Hungria.

Já Reino Unido e Estados Unidos ficaram com as duas vagas para Europa Ocidental e Outros Países. Para Ásia-Pacífico, os novos membros do Conselho serão China, Iraque, Japão e Arábia Saudita.

Mandato

O Conselho de Direitos Humanos é formado por 47 países-membros, eleitos de forma individual e secreta pela Assembleia Geral. Fica com a vaga quem tem a maioria dos votos.

Neste ano, o Conselho de Direitos Humanos comemora uma década desde que foi criado, com o objetivo de reforçar a promoção e a proteção dos direitos humanos pelo mundo, debater violações e fazer recomendações aos países.

*Com informações de Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 10031 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).