Após prisão, Justiça Federal bloqueia mais de R$ 220 milhões do ex-deputado Eduardo Cunha

Em 19 de outubro de 2016, o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB/RJ) foi preso e transferido de Brasília para a sede da Polícia Federal em Curitiba.
O ex-deputado federal Eduardo Cunha é preso e transferido de Brasília para a sede da Polícia Federal em Curitiba.
O ex-deputado federal Eduardo Cunha é preso e transferido de Brasília para a sede da Polícia Federal em Curitiba.
O ex-deputado federal Eduardo Cunha é preso e transferido de Brasília para a sede da Polícia Federal em Curitiba.

Depois de ser levado preso para a carceragem da Polícia Federal em Curitiba, a Justiça Federal do Paraná decretou o bloqueio de bens de Eduardo Cunha, orçado em mais de R$ 220.667 milhões.

A indisponibilidade dos bens foi determinada pela 6ª Vara Federal de Curitiba em ação civil de improbidade administrativa movida pela Procuradoria da República, contra o ex-presidente da Câmara dos Deputados. A quantia seria repatriada para ressarcir os cofres públicos.

Eduardo Cunha foi preso em Brasília nesta quarta-feira (19/10/2016) após ordem do juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato.  Cunha não possui mais foro privilegiado, depois de perder o mandato de deputado federal em setembro deste ano, após ser cassado pelo plenário da Câmara. O ex-presidente da Câmara é investigado em uma ação penal em Curitiba, por receber R$ 5 milhões em propina em contas não declaradas na Suíça. De acordo com as investigações da Lava Jato, a quantia foi desviada de um contrato de exploração de petróleo na África. O advogado de Eduardo Cunha, Ticiano Pinheiro confirmou que o ex-deputado foi preso no apartamento funcional que ele estava desocupando em Brasília. O advogado diz que a prisão de Cunha é uma decisão absurda e sem motivações.

“Esse pedido de prisão ficou no Supremo mais de quatro meses. O Supremo não decidiu, o que significa que não havia elementos para prender, porque um pedido de prisão é uma coisa urgente, e em menos de uma semana depois ele acaba sendo preso aqui sem qualquer fato novo.”

A prisão de cunha tem caráter preventivo, ou seja, o peemedebista está detido por tempo indeterminado. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Cunha representaria risco à instrução do processo e à ordem pública se fosse mantido em liberdade.

*Com informações da Agência Sputnik.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 114886 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.