Ação da Codevasf garante água à região do Salitrinho e produtores conquistam 40% do mercado regional

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Ação da Codevasf incentiva produção agrícola.
Ação da Codevasf incentiva produção agrícola.
Ação da Codevasf incentiva produção agrícola.
Ação da Codevasf incentiva produção agrícola.

Buscar água em cacimba e sobreviver trabalhando como diarista em lavouras de terceiros é uma realidade que ficou para trás para cerca de 300 agricultores familiares do Salitrinho, na calha do rio Salitre, área no Submédio São Francisco baiano onde atua a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). Hoje eles celebram a pujança de quem produz, em seus próprios lotes, até 600 toneladas anuais de manga, 40 toneladas anuais de melão e cebola, e responde por 30% a 40% do mercado regional de hortifrutigranjeiros.

“Eu e minha mãe acordávamos às 5h da manhã e trazíamos uma lata de 20 litros de água na cabeça”, ri a produtora Eliane Silva, 36 anos, que hoje planta pimenta, pimentão, maracujá e cebolinha em uma área irrigada de 1,5 hectare. Com o progresso, a família já comprou televisão, móveis novos e uma casa no povoado onde Eliane vive com o marido agricultor, dois filhos adolescentes e a sogra.

Décadas de escassez e conflitos pelo uso da água se tornaram coisa do passado no Salitrinho depois que a Codevasf, há cerca de cinco anos, implantou duas adutoras com o objetivo de abastecer a calha do rio Salitre e oferecer suporte econômico às comunidades locais. Uma delas foi construída a partir do canal principal do projeto público de irrigação Salitre, e a segunda próximo à localidade do Junco. O investimento de cerca de R$ 4 milhões garante hoje aos produtores uma adução de 400 litros por segundo.

Com a ação da Codevasf, as barragens sucessivas da região voltaram a ser abastecidas e a produção agrícola irrigada voltou a ser possível durante todo o ano.

“Estou colhendo de 40 a 50 toneladas de manga Tommy e Haden em duas safras anuais”, comemora Marcos Antônio de Jesus, 43 anos, que cultiva a fruta no Salitrinho há três anos em dois hectares, com a família. A produção deste ano, conta ele, já tem destino certo: o mercado consumidor de São Paulo. Safras anteriores ele já comercializou, por exemplo, para Salvador (BA) e Belo Horizonte (MG).

Gestão da água

Em julho do ano passado, com o apoio da Codevasf, os agricultores do Salitrinho decidiram criar uma entidade própria para a gestão da água que eles consomem para produzir, a Associação Águas do Salitrinho, que hoje congrega cerca de 292 associados distribuídos em uma área total de 473 hectares. O presidente da entidade, Roberval de Amorim Silva, explica que ela tem seu próprio estatuto e regimento interno – e, embora funcione como um distrito de irrigação, sua principal finalidade é a gestão da água.

“Hoje, cada usuário pode captar água para irrigar no máximo 12 hectares, dependendo do tipo de cultura e do estágio de desenvolvimento, pois algumas requerem mais água. Para termos este parâmetro, foi feito um levantamento de cada área e elaborada uma tabela específica. O acompanhamento mensal é feito por um técnico agrícola contratado pela própria entidade”, nota Júlio Cesar Santos, funcionário da Superintendência Regional da Codevasf em Juazeiro (BA) e representante da Companhia no Conselho de Administração da associação.

Principais cultivos

Atualmente, os principais cultivos na região do Salitrinho são os de culturas anuais, como melão, cebola e cebolinha, tomate, melancia e abóbora. Também são encontradas em menor escala culturas como quiabo, pimentão, pimentinha e repolho. Entre as fruteiras, a manga e a goiaba se destacam, mas há também cultivos de banana e acerola.

“Hoje os produtores estão entusiasmados. Cada um já tem o seu próprio transporte, não vivem mais na situação de pobreza de antes”, atesta Roberval Silva.

Rio Salitre

O Salitre é um rio que nasce na localidade de Boca da Madeira, município de Morro do Chapéu, e deságua no município de Juazeiro, a jusante da barragem de Sobradinho. A bacia hidrográfica abrange as cidades de Morro do Chapéu, Várzea Nova, Miguel Calmon, Umburanas, Jacobina, Mirangaba, Campo Formoso e Juazeiro. Seu leito percorre 333,4 km e, segundo informações do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), possui uma área de 14.136 km².

Na área do município de Juazeiro, o rio foi subdividido em três partes: Alto, médio e baixo Salitre. Devido à presença da água e à qualidade dos solos, o Vale do rio Salitre foi um dos pioneiros na prática da agricultura irrigada. Já na década de 40 existiam cultivos de cana de açúcar e a presença da fabricação de rapadura e cachaça. Vinte anos depois foram registrados os primeiros cultivos irrigados de cebola, melão, melancia e tomate. Hoje o melão produzido na região do Vale do Salitre tornou-se conhecido em todo o país.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113486 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]