Jamais governaria novamente com PMDB do mal, diz presidente afastada Dilma Rousseff

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Presidente Dilma Vana Rousseff discursa na mesa do plenário do Senado Federal.
Presidente afastada Dilma Rousseff aponta os líderes do golpe, Eduardo Cunha e Michel Temer, ambos do PMDB.
Presidente Dilma Vana Rousseff discursa na mesa do plenário do Senado Federal.
Presidente afastada Dilma Rousseff aponta os líderes do golpe, Eduardo Cunha e Michel Temer, ambos do PMDB.

Caso seja absolvida do processo de impeachment, a presidenta afastada Dilma Rousseff disse que jamais voltaria a governar com o que chamou de “PMDB do mal”. Segundo a presidenta, uma parcela do partido enveredou para um campo conservador, atuando para desestabilizar o seu governo e para tramar o impeachment.

“Deus me livre do que o senhor chamou de PMDB do mal. E quero dizer que respeito vários integrantes do PMDB, que ao longo da história representou o centro democrático do país. Não podemos esquecer o PMDB de Ulisses Guimarães, responsavel pelas lutas que levaram à Constituição de 1988”, disse.

Dilma fez a afirmação ao responder a um questionamento do senador Telmário Mota (PDT-RR). O pedetista questionou se Dilma, se retornasse ao cargo, voltaria a governar com o PMDB do deputado afastado Eduardo Cunha (RJ) e do senador Romero Jucá (RR), a quem classificou como PMDB do mal.

Segundo Dilma, o Brasil sempre teve um centro democrático progressista que possibilitava a governabilidade junto a diferentes forças políticas. O PMDB, segundo a petista, representava essa força, mas que, a partir do final do seu primeiro governo, começou a dar uma guinada para o conservadorismo e que isso tornou as coisas difíceis. “É incontestavelmente o que acontece no país. Um centro que perdeu as hegemonias dos progressistas e passou a ter uma hegemonia pela mais retrógrada posição que o nosso país já assistiu”, disse.

Dilma disse que a ala conservadora começou a dominar o partido com a guinada de Eduardo Cunha para a presidência da Câmara. “O Brasil sempre teve um centro democrático e que dentro dele, liderando, teve um conjunto de lideranças progressistas. Lamento que nos últimos tempos essa liderança progressista se transmudou em uma liderança ultraconservadora, ultrafundamentalista, uma liderança que não media e que não tem parâmetros éticos, com este PMDB eu jamais governarei ou conviverei novamente”, disse.

Esta não foi a primeira vez que a petista atribuiu a Cunha o papel de protagonista no processo de impeachment. Mais cedo, ela acusou o peemedebista de sabotar o governo ao longo do último ano, inclusive paralisando o trabalho das comissões da Casa e promovendo a votação de projetos que aumentavam as despesas públicas, as chamadas pautas-bomba.

Por meio de nota, Eduardo Cunha disse que Dilma estaria mentindo “contumazmente” e desafiou a presidenta afastada “demonstrar qual foi a pauta-bomba votada e qual projeto do governo não foi votado”.

A sabatina da presidenta afastada Dilma Rousseff começou no final da manhã e já dura mais de 10 horas. A previsão é que os trabalhos sejam encerrados depois das 23h. Ao responder questionamentos dos senadores, Dilma diz que o processo de impeachment contra ela trata-se de um “golpe parlamentar” e que o pedido para sua saída da presidência não veio como manifestação das ruas.

*Com informação da Agência Brasil.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113791 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]